3o e 4o dia em Paris, Arco do Triunfo e Madeleine

Arco do Triunfo

No 3o. dia em Paris, visitamos mais um ícone da cidade, o Arco do Triunfo  contruido para celebrar a vitória do exército francês na batalha de Austerlitz, sobre a Rússia e Áustria. Napoleão prometeu aos soldados franceses:  « Vous ne rentrerez dans vos foyers que sous des arcs de Triomphe » . A pedra fundamental do Arc de Triomphe  foi lançada por Napoleão em 1806, mas a obra do monumento só foi concluída em 1836, 15 anos depois da morte de Napoleão.

O Arco do Triunfo é parte da história da França,  um dos monumentos históricos mais bonitos, mais  importantes e mais visitados do mundo. Está  no coração de Paris, na praça  Étoile,  de onde saem 12 avenidas. Mapa abaixo para melhor visualização.

No detalhe, esculturas da esquerda e direita

Le Départ de 1792 (La Marseillaise), François Rude

Le Triomphe de 1810, Jean-Pierre Cortot

A excursão

Estávamos na avenida Champs-Élysées que tem lojas chiquérrimas, mas tem também H&M que estava em liqui com vestidos gracinhas a 10€, uma festa para Marina ;)

Dali, entramos na loja da Nespresso que recomendo para um café e biscoitinhos, e comprinhas de cápsulas, a metade do preço daqui. A loja é grande e linda !

Do Champs Élysées voltamos para o Marais, passamos em casa e dali fomos jantar no Les Philosophes. Post sobre ele aqui.

clique em cima da foto para aumentar

Marais

Marais

Rue du Trésor

Les Philosophes

Rue du Trésor

Confit de canard – 21 euros

Tarte tatin, especialidade da casa – 7 euros

No 4o. dia, fomos para Madeleine , na praça da Concordia.

Madeleine

Perto está a Pinacoteca de Paris, onde visitamos uma belíssima exposição de quadros de Modigliani e Utrillo, dica do webvizinho Renato que estava em Paris. Ingresso 10 euros, meia entrada 8 euros (estudantes pagam).  Havia pouca gente e pudemos com calma admirar os quadros. Uma cena me tocou:  5 criancinhas de uns 3  anos, com a professora, sentadinhos no chão em frente a um quadro de Modigliani, prestando atenção às explicações dela , baixinho, sem se distrair. Isto é cultura na veia ;)

Saindo da exposição, fomos à Gare du Nord de metrô, buscar os bilhetes Thalys para viagem no sábado à Bruxelas e Brugges,  que tinha comprado pela internet, pois é preciso trocar o comprovante impresso pelos bilhetes, no guichê Thalys. Foi rapidinho.

Dali, passamos no Monoprix para comprar massa para um fettuccine e gruyère ralado, que foi preparado chez Majô ;)

 

Chique não ?

 

Pinacothèque  de Paris
8, rue Vignon
75008 Paris

Metrô – Madeleine

Ônibus – Arrêt Madeleine-vignon bus 24 bus 42

Les Philosophes – Rue Vieille du Temple, 30 – Marais

tel: (33) (01) 42 72 47 47

Aberto todos os dias de 9:00 a 01:15

Metrô: St. Paul ou Hotel de Ville

Posts desta viagem:

Paris para Marina

2o. dia: caminhando pelo Sena, indo de encontro ao maior ícone de Paris 

Londres, um dia em bate-volta

Londres, um dia em bate-volta


Nesta nossa viagem à Paris 1o. post  aqui e 2o. aqui, estava previsto um bate-volta a Londres, era uma torcida da Marina  para  conhecer a cidade. Fiquei algum tempo checando promoções no Eurostar e enfim, comprei pelo site sentadinha no sofá,  imprimi os bilhetes que apresentei  na hora do embarque.  Simples assim.

A grande sacada do bate-volta de Paris a Londres, e vice-versa de trem, é que você sai de uma estação de trem no meio da cidade de Paris, a Gare du Nord, para onde você irá de metrô ou ônibus, e desce no meio da cidade de Londres, a estação St. Pancras, sem ter que enfrentar o stress de aeroportos. Você só precisa chegar na estação 40 min  antes do embarque,  apresentar o bilhete impresso que comprou  pela internet aqui no Brasil, passar na imigração, tudo rapidinho,  entrar no trem e curtir a viagem que leva 2 horas e 15min.

Londres é uma cidade fascinante,  não só por suas  tradições seculares, mas, por outro lado, tem sido vanguarda na música e na moda.

Na década de 60, Londres rompeu paradigmas na moda , quando Mary Quant  criou a mini-saia. Na época foi um choque de ordem  nos costumes femininos.  Mary Quant foi condecorada pela rainha Elizabeth II com a Ordem do Império Britânico, por serviços prestados, sua criação, a mini-saia. Nessa ocasião, Londres era considerada a capital mundial da moda,  Carnaby Street,  King’s Road, Oxford Street ditavam a moda dos jovens.

Por sua vez, os Beatles e Rolling Stones, na época foram a vanguarda na música,  acompanhados por milhões de jovens no mundo todo, promovendo uma revolução no comportamento, idéias e costumes daquela geração. Os Beatles também foram condecorados pela Rainha Elizabeth II com a Ordem do Império Britânico. Mick Jagger do Rolling Stones também foi condecorado pela Rainha. Londres  é até hoje uma cidade de vanguarda com inúmeros talentos na música.

Voltando à nossa viagem,  para passarmos um dia em Londres e conhecer um pouco do melhor da cidade,  a idéia era chegando em St. Pancras, pegar aqueles lindos ônibus vermelhos que são  uma marca registrada londrina, assim Marina e Pedro no trajeto conheceriam um pouco da cidade, até o Palácio de Buckingham, onde tentaríamos assistir a troca da guarda, imperdível para quem vai à cidade pela 1a. vez.


Saindo de St. Pancras, onde comprei o bilhete de um dia por 7£  cada ticket,  portanto, 3 pessoas 21£. Sim, é caro. Fomos para a parada de ônibus  King’s Cross, ao lado da estação  para pegarmos o ônibus da linha 73 (mapa acima). Site do mapa de linhas de ônibus aqui.


e descermos na parada Victoria Line, ponto final da linha. O trânsito em Londres está bem engarrafado, conte com isto.

Comprei o  Off-Peak One-day Travelcard – válido para ônibus e metrô de 9.30am de 2a. feira  até  6a.-feira  (12.01am até 4.30am do dia seguinte) e durante o dia todo nos fins de semana e feriados públicos:

  • Zones 1 and 2 – adult £7

Se ficasse na cidade mais de 1 dia, valeria a pena comprar o OysterCard que você carrega com a quantia que quiser,  e na saida da cidade, pode ser reembolsado do saldo que ainda tiver no cartão. Sites aqui e aqui.

Detalhe surpreendente: ingleses são conhecidos por sua pontualidade, masss o trem atrasou 40 min, tsc tsc,  e com isto perdemos a troca da guarda.

O palácio de Buckingham é belíssimo, soldados da guarda imperial estavam  lá, impecáveis e imóveis.

Palácio de Buckingham

Palácio de Buckingham

Muuuitos turistas

E, não é que conseguimos ainda ver a guarda imperial marchando em sincronização perfeita !

Hyde Park

Hyde Park

Dali, fomos caminhando pelo belíssimo Hyde Park

Hyde Park

Caminhando pela lateral do Hyde Park

Árvores lindas

até o Big Ben e Parlamento, ícones da cidade.


Marina encantada com as cabines telefônicas, quem não fica ?

Bandeiras nas ruas para Olimpiadas, cidade tinindo.

House Guards Ave.

Caminhando pela Whitehall, passamos em frente a um pub charmoso, o The Clarence, e entramos para almoçar, porque àquela hora a fome era grande. Subimos ao 2o. andar, encontramos um ambiente aconchegante (fotos abaixo) e  serviço atencioso.  Pedi um frango com molho, ligeiramente adocicado, com ervas que davam um sabor delicado, uma grata surpresa. Marina pediu o mesmo, e o Pedro um burger com bacon e cheese.  Me sinto à vontade para indicar o The Clarence para quem estiver por ali, depois de passar no Big Ben. Ainda guardo gratas lembranças do frango que comi ali ;) Como o serviço era lento, não pedimos sobremesa para podermos continuar nossa caminhada até Mayfair, bairro cool.

The Clarence

The Clarence

The Clarence – chicken breast

by Marina

Quanto custou: 48,82 £

Mapa da nossa caminhada do Buckingham Palace até Big Ben e London Tower, parando no pub The Clarence

Dali, seguimos caminhando, melhor maneira de conhecer a cidade, até Mayfair.

Trafalgar Square

E passamos por várias ruas enfeitadas com bandeiras  para as Olimpíadas, dali a 15 dias.

Olha a do Brasil lá !

as bikes

Em Mayfair, bairro elegante e sofisticado

Caminhamos por aquelas ruas com prédios lindos,  lojas e restaurantes refinados de Mayfair.


mesas impecáveis

Depois de caminharmos pelas ruas de Mayfair, fomos até a loja da M&M para felicidade total da Marina :lol:

Os teens vão à loucura nesta loja, todas as nacionalidades, japoneses, turcos, brasileiros, coreanos, alemães, americanos, franceses.

Saindo, caminhamos em direção à Regent St. passamos pela porta da Boots, uma rede de farmácias que a Mari Campos do Saia pelo Mundo  adora ;)  Post dela só sobre a Boots aqui. Como não entrar ? Realmente, é tudo o que a alma feminina ama: cremes, maquillage, shampoos, etc. a preços mais amáveis que os grandes department stores. Você encontra promoções, tipo leve 3 e pague 2 de produtos de qualidade. Há miniaturas de shampoos e cremes para viagem com preços muito bons.

Continuamos a caminhar pela  Regent Street, passamos por uma pequena Zara Home que estava com itens em liqui, bem em conta, mesmo com a libra a R$3,55.

Mais alguns passos,  e achamos esta ruazinha Heddon St só de restaurantes e casas de chá. Entramos no Aubaine  restaurante bem simpático,  para um café/suco e a sobremesa que pulamos no The Clarence,  antes de embarcarmos de volta para Paris.

Mapas da nossa caminhada.

Heddon St.

Aubaine

Aubaine reservado só para nós ;)

Aubaine

Aubaine

Cappuccino e Moelleux

Cappuccino com esta torta Moelleux, divina.

Éclair da Marina

Aubaine

Serviço muito amável e impecável,  uma marca inglesa.

Quanto custou ? 19,41 £

Dali, fomos para a estação St. Pancras. Como o trânsito em Londres está bem engarrafado, ao invés de ônibus, pegamos um taxi,

destes pretos charmosos, que seguiu por ruas internas e chegamos rapidinho em St Pancras. Custou 11, 40£ 

Sairia o mesmo preço para 3 pessoas, se tivesse ido e voltado da estação St. Pancras usando taxi, do que o valor que paguei por 3 passes de ônibus  21£ que só foi usado 1 vez. Mas e o charme de andar neste ônibus ? Claro que conta ;)

Não deu tempo de ir ao British Museum que tinha incluido no roteiro, mas aproveitamos muito da cidade nas 9 horas que estivemos em Londres.

Chegando em St. Pancras, fizemos o check-in rapidinho para o Eurostar. Nosso horário do trem de volta à Paris era 19:01h, chegando na Gare du Nord, às 22:17h.

A viagem teve de brinde paisagens com um pôr do sol de tirar o fôlego, embaixo, algumas fotos.

Pink sky

Chegamos em Paris, na Gare du Nord,  no horário marcado, onde pegamos o metrô até a estação St. Paul, tranquilamente, depois de curtirmos Londres o dia todo.

Considerações:

Toda a programação do dia foi free, com exceção de transporte, alimentação e compritchas. Só se gasta sola de sapato;)

O trem é muito mais confortável do que avião, poltronas mais largas e espaço generoso para pernas e mesinha na frente da poltrona.  O Thalys, ainda mais confortável que o Eurostar.

Vale a pena dormir uma noite em Londres ? Sim, é uma cidade que vale ficar 2 a 3 dias, se possível. Em estadia de 3 dias, vale a pena fazer o passeio a Stratford upon Avon que é uma gracinha. Mas, considere que hotel em Londres é caro.

O tempo ajudou muito, pois estava sol e  friozinho,  assim, caminhamos com prazer, o verão estava bem camarada, enquanto estivemos lá. Em alguns momentos ao longo do dia, choveu rapidamente, mas nada que atrapalhasse.  Sim, guarda-chuva deve estar sempre na sua mochila ou bolsa. Se esqueceu compre lá, até na Boots também tem.

Blogs sobre Londres que devem ser consultados:

Londres para principiantes escrito pela Eneida que mora lá. Muitas informações sobre  transporte,  ônibus/bus e metrô/tub

Saia pelo Mundo e Pelo Mundo da Mari Campos que vira e mexe está em Londres.

DriEverywhere da Dri Miller que mora em Londres.

E, claro o ViajenaViagem do Riq Freire, sempre.

Posts desta viagem:

Paris para Marina

2o. dia: caminhando pelo Sena, indo de encontro ao maior ícone de Paris 

2o. dia: caminhando pelo Sena, indo de encontro ao maior ícone de Paris

No 2o. dia,  depois de tomar o café da manhã, baguette quentinha da Boulangerie do Paul com  manteiga da melhor qualidade,  e aproveitando que São Pedro não deixou chover, saimos para realizar o sonho da Marina,  ir  à Torre Eiffel, sem dúvida um ícone em Paris para todas as idades. Começamos a caminhar, admirando as pontes do Sena, os monumentos de encher os olhos, como La Conciergerie, os barcos navegando no rio, paisagens como se estivéssemos dentro de um quadro.

La Conciergerie

Pont Neuf

Rio Sena

E, claro pausa para fotos …

.. e mais fotos

Olha “ela” lá longe !

…. e mais fotos

Pont de l’Archevêché

Rive Gauche

Institut de France

E nós caminhando… entramos  na Rue du Bac,  passamos no Monoprix para comprar água e seguimos  em frente pela looonga  Rue de Grenelle.

Passamos pelo belíssimo Hotel des Invalides.

Hotel des Invalides

Hotel des Invalides

Vista aérea do Hotel des Invalides – foto Wikipedia

Caminhamos mais um pouco, e voilà, estávamos de frente para a Torre Eiffel ! Os olhos da Marina brilhavam de contentamento :lol: :lol:


Para este programa,  só precisamos de sapatos confortáveis e disposição para caminhar, e é  free. Programa testado e aprovado para adolescentes.

Seria  possível também chegar à Torre Eiffel, pelo ôninus linha 69 que tem ponto final no Champs de Mars, onde está a Torre Eiffel.

Aliás, como transporte em Paris, os ônibus são uma ótima opção para conhecer a cidade com  motoristas super civilizados. O preço do bilhete é o mesmo do metrô, 1,70 € . Comprando carnê de 10 bilhetes, paga-se 12,50 €.

Depois de muuitas fotos, e atendendo à fome que já chegava, seguimos para Rue Saint-Dominique que tem uma série de bons restaurantes.

Muitos  tinham fila na porta, como o Café Constant e o Les Cocottes do chef Christian Constant. Olhamos preços e menus e optamos pelo Les Cocottes  que já não tinha fila, o balcão estava cheio, mas ainda restavam alguns lugares em mesa lateral, na entrada. O atendimento é muito simpático. Os pratos são servidos em panelinhas de ferro Staub, as cocottes,  ou em potinhos de vidro.

Pedro e eu pedimos cocottes volaille (17 € ) e Marina, omelette de fromage e jambon (10 €).

Cocotte volaille

As cocottes são fundas, portanto as porções não são pequenas como parecem. O frango estava tenro e saboroso, os temperos na medida, comi até o finalzinho. O vinho rosé que acompanhou estava perfeito.

Na hora da sobremesa, houve dificuldade para escolher, muitas gostosuras. Pedi a La fabuleuse tarte au chocolat de Christian Constant (10 € ), fabulosa mesmo ! , Marina foi de mousse au chocolat( 7 € e Pedro flan au oeuf (7 €).

La fabuleuse tarte au chocolat de Christian Constant

Mousse au chocolat

Flan au oeuf

O melhor horário para o Les Cocottes  é 19:00h, vai ter  uma filinha, mas dá para conseguir lugar. Depois, a fila e a espera serão maiores.

Voltamos de ônibus, pela linha 69.

Les Cocottes – 135 rue St. Dominique, 75007 –  Não aceita reservas

Estação de metrô mais próxima: Ecole Militaire

BUS : 69/ 42/ 92/ 80

Map

Posts desta viagem:

Paris para Marina

Londres, um dia em bate-volta

Paris para Marina

Image

Em maio deste ano, Marina, minha sobrinha-neta, completou 15 anos, idade que ainda tem significado especial para meninas. Em março, pensando em seu presente, achei que uma viagem a Paris teria uma repercussão especial em sua vida, mais que um objeto.

A minha 1a viagem à Europa trouxe  inúmeras emoções que nunca esqueci. É um choque cultural.

Há algum tempo Marina me pedia para levá-la,  agora tinha chegado o momento. Sim, o presente para ela em seus 15 anos foi a viagem a Paris, por um período que desse para saborear com calma a cidade, seriam 12 dias,  intercalando com bate-volta à Bruxelas e Brugges,  e outro  à Londres. Aluguei um studio  que nos daria a sensação de viver como  parisienses, uma experiência  com sabor especial.

Conosco foi também o Pedro, amigo e namorado, então com três já tínhamos uma excursão ;)

Por 2 meses, organizei um roteiro com diversas opções de passeios nos arredores de Paris, como Versailles, castelos do Loire e Giverny,  e muitas andanças pelas ruas de Paris que convidam você  a flanar, especialmente no verão.  Este seria  um programa diário, caso não estivéssemos fora da cidade. Claro, que poderia haver variações, dependendo do ritmo e interesse despertados neles.

Saimos os três  no dia 1o. de  julho, no dia 2 chegamos, nos instalamos no studio,  e pé na rua. Caminhamos pela linda Place des Vosges e fomos jantar no Le Petit Marché,  bistrô que tinha me deixado boas lembranças em dezembro. A localização dele é especial, fica em rua que sai da Place des Vosges, a rue Béarn. Foi difícil conseguir mesa, pois chegamos tarde  e estava lotado. Com um pouco de paciência e a fome era grande, conseguimos uma mesa.  Pedidos feitos, tudo delicioso, fechamos os três com crême brulée.

magret de canard

Quem resiste …..

Le Petit Marché

Voltamos a pé para casa,  estávamos bem cansados da viagem, a 1a. viagem longa de Marina.  Amanhã tem mais ;)

Não deixem de passar no Mustaching  blog da Marina que acabou de abrir, fresquinho, onde ela está fazendo o diário da viagem, passa lá ;) E já nasceu bilingue !

Não sei há quanto tempo eu sonho em sair do Brasil. Sempre quis visitar várias partes do mundo, mas nunca tive a chance – até alguns dias atrás. No meu aniversário de 15 anos, minha tia me deu de presente uma viagem para Paris! Estou aqui há uma semana e ainda ficarei por mais 5 dias, e está sendo maravilhoso. Como só tive tempo para escrever sobre a viagem agora, vou fazer um post para cada dia que fiquei aqui, e esse é sobre o primeiro. ” ………

Le Petit Marché – 9 Rue Béarn, 75003 –  tel: +33 1 43 14 98 53

Posts desta viagem:

2o. dia: caminhando pelo Sena, indo de encontro ao maior ícone de Paris 

Londres, um dia em bate-volta

A segurança em Paris, e como me preparei para o frio

Como muitos sabem, fiz esta viagem à Paris sozinha e posso dizer que em nenhum momento me senti insegura. Caminhei  pela cidade a qualquer hora do dia e à noite, andei de metrô também de dia e à noite e não passei por nenhum momento de stress ou me senti ameaçada. Também usei caixa eletrônico que diga-se de passagem fica na calçada.

Sei que há tentativas de golpe a turistas na cidade, como o do anel que jogam no chão à sua frente, o de ciganas  que pedem dinheiro colocando pulseiras em seu braço, o homem que vende casacos de couro por uma quantia muito abaixo do preço real, enfim várias maneiras de tentar  arrancar dinheiro de você.

Acho que tudo isto passa por uma questão: como se vestir sem parecer um turista à primeira vista.

O tênis branco, acessório muito usado por brasileiros em viagem, identifica sua condição de turista que passa a ser alvo dos golpistas. Portanto, opte por sapato que seja confortável para andar o dia todo ou tenis escuros. No inverno e com chuva é preciso usar bota, e com sola de borracha que isola a umidade e o frio.

As francesas são chiques, vestem-se muito simplesmente e na maioria das vêzes em cores escuras, principalmente o preto. Sabem usar uma écharpe e cachecol como ninguém, às  vêzes uma boina, tudo com estilo próprio. Elegância está no DNA delas.

Portanto, 2 calças ou jeans e 3 sueteres  que com casaco de lã grossa serão vestimentas discretas e que protegerão você do frio. Écharpes e cachecol esquentam e dão looks diferentes. Ah e meia grossa ou de cashemere  para colocar por baixo da calça e que podem ser compradas na UNIQLO.

Casaco ou manteau: antes de viajar, ainda aqui no Brasil, decidi que o casaco seria comprado logo que chegasse, pois aqui não temos casacos com lã que esquente o suficiente, além do que sai mais barato comparando-se com os preços estratosféricos de roupas aqui. Optei pela Comptoir des Cottonniers que tem roupas em estilo que me agradam com preços acessíveis e com 2 lojas pertíssimo de onde eu estava, na Vieille du Temple e Francs Bourgeois. No dia seguinte ao da chegada, saí de manhã para comprar o casaco, pois, com chuva fina e vento, a sensação térmica era de uns 6 graus. Escolhi um casaco clássico de tweed cinza que faz meu gênero e não sai de moda. Tive desconto de 20% pagando com cartão AMEX. Este casaco foi usado o tempo todo com sweater por baixo. Em ambiente aquecido, claro tirava o casaco. Usava cachecol de lã enrolado no pescoço e meia de lã embaixo da calça.

Bota: o sapato ou bota mais confortável para caminhar sem dúvida, é o da marca Camper que tinha uma loja perto, na Rue Francs Bourgeois  e  esta foi a 1a compra na manhã seguinte à chegada. Salto confortável, sola de borracha, caminhava 10 horas por dia sem cansar.

salto confortável

sola de borracha

Voilà, assim passei minha estadia parisiense confortável e protegida do frio.

Como disse lá em cima, não tive nenhum problema relacionado à segurança, mas sem abrir mão de alguns cuidados: não sair com passaporte original, só cópia.  Dinheiro só o necessário para o dia. Em restaurante, bolsa no colo. No metrô, bolsa na frente.

Se você tem alguma dica, por favor deixe aqui ;)

Comptoir des Cottonniers – 124, rue Vieille du Temple                                                        33,  rue des Francs Bourgeois     

Camper  –  9 Rue Francs Bourgeois

UNIQLO – 17, rue Scribe 75009 Paris

A série de posts desta viagem:

Marais chez moi

Poîlane, tradição perpetuada na família

Caminhando e me emocionando

Carroussel do Louvre e Mariage Frères

Jacques Génin, impecável

Indo à Gand em missão de família

No Marais, Camille e Les Philosophes

Voando Emirates

Tripulação

Quando comecei a pesquisa de preços de bilhetes para viagem à Buenos Aires pela internet, buscando em todos os sites de cias. aéreas e  pelo kayak, a passagem mais barata que  encontrei, por incrível que pareça era o vôo pela Emirates que em breve inauguraria saídas no Rio de Janeiro. Considerada uma das melhores cias. aéreas do mundo, não hesitei, e click,  comprei pelo site da própria Emirates.

Dois dias antes do vôo, recebi um e-mail da Emirates, oferecendo upgrade para Business Class no vôo de ida, por um valor bem razoável.  Aceitei com um enorme sorriso, mal podendo esperar pelo que vinha pela frente.

Estava tão empolgada com este vôo que escrevi para o Rodrigo Purisch do site Aquela Passagem, a melhor referência no Brasil em passagens aéreas, milhas e aviões, contando a novidade. Fiquei de escrever minhas impressões,  quando voltasse.

Como passageiras da Business Class, tivemos acesso ao lounge no Galeão, compartilhado por algumas companhias aéreas. Muito confortável com sofás   e poltronas, acesso a wifi, comidinhas e bebidinhas: espresso, refris, prosecco, mini quiches quentinhas, sanduichinhos, etc. tudo farto e reposto constantemente.

Depois de uma relaxada, subimos para o embarque, e perto de nós, toda a tripulação Emirates reunida, como está na foto acima.

Embarcando no baita avião, um Boeing 777,  já fomos brindadas com poltronas visivelmente largas e confortáveis, com bastante espaço para esticar as pernas :lol:

Business class

A nova geração de  “lie-flat seating”, poltronas que podem virar camas são tudo o que se quer, principalmente em vôos de longa distância e muitas horas. Telas de 17″ em frente à cada poltrona com vasta programação de filmes e jogos. Na poltrona, há entrada USB para recarregar celulares ou laptops, e tomadas.

Business class

As  “new generation of lie-flat seating “.

Conforto e compartimento para deixar os sapatos.

Espaço para esticar as pernas e deitar, tudo o que se quer :)

Deitada completamente olhando para o teto ;)

Sistema wifi com todos os comandos para TV e poltrona conectados, ao alcance da mão, no tablet que fica encaixado, à sua direita.

Tablet wifi individual

E….. comandos para massagem, sim a poltrona faz massagem :mrgreen: Achei isso um luxo !!

Escolhendo qual a massagem, lombar, pernas,zig zag, relaxante...

Enquanto me distraia com as novidades, chega o jantar que já tinha escolhido no menu que a comissária de bordo trouxe, quando sentamos. A mesa é espaçosa. Serviço americano de linho e guardanapo de tecido que não se vê mais. Talheres de prata. Vinho em  taça.  Pãezinhos quentes.

Jantar com serviço de linho e talheres de prata, em mesa espaçosa.

Jantando e navegando

Mousse de chocolate, quando se corta tem recheio derretido, djilícia

Subindo esta divisória há privacidade pra sonequinha ou para trabalhar.

Depois do jantar, baixam automaticamente todas as persianas das janelas para um soninho, dei-ta-das ! Poderia ir para Dubai sem nenhum desconforto :mrgreen:

A mesa acoplada à poltrona é larga o suficiente para trabalhar com seu laptop com conforto. Há compartimento lateral para guardar algo que não se queira deixar no colo.

O atendimento dos comissários/as de bordo durante o vôo foi eficiente e gentil.

Em suma, vale cada centavo ou milha, voar na Business da Emirates :lol: :lol:

Despedindo da Place des Vosges

Place des Vosges

No último dia da minha estadia, depois de arrumar bagagem, saí para comer,  mas depois do belo almoço no Les Philosophes, só algo levinho.

Place des Vosges

Voltei à linda Place des Vosges pela qual sou apaixonada, minha  predileta, e  dali fui ao charmoso Le Petit Marché, onde tinha jantado no dia em que cheguei. Masss, estava lotado com fila de espera na calçada.

Caminhando de volta aos arcos da Praça,  e passando por um restaurante, o Carette, parei para olhar o menu e resolvi arriscar um creme de abóbora que era o que me apetecia.

Sentei na varanda e não é que tinha aquecedor perto de mim ? Se bem, que depois que voltei da Bélgica, onde estava beeem mais frio que Paris, voltei achando que Paris estava até com uma temperatura agradável.

Carette na Place des Vosges

Carette na Place des Vosges

Olhando para cima me dei conta do privilégio de estar sentada embaixo dos arcos da Place des Vosges que à noite são realçados pela iluminação, como todos os monumentos em Paris. Quer dizer, a sopa era um detalhe naquele cenário deslumbrante.

Carette

Carette

Confesso que o serviço e a sopa me surpreenderam para melhor. Aliás, é difícil comer mal em Paris. O creme de  abóbora estava muito bom, saboroso e levíssimo, como eu queria.

Creme de abóbora

Thé

Para finalizar,  um chá que se tornou  imponente no conjunto da obra.

Vosges belíssima !

Voltei caminhando devagar, me despedindo desta Praça que respira história,  como por exemplo,  foi endereço de Victor Hugo.

Posso dizer que caminhava  sem nenhuma preocupação com segurança.  Aliás, não tive nenhum problema a qualquer hora do dia. Ainda fui até o caixa eletrônico sacar dinheiro para pagar o taxi, detalhe, os caixas  ficam na rua.

A série de posts desta viagem:

Marais chez moi

Poîlane, tradição perpetuada na família

Caminhando e me emocionando

Carroussel do Louvre e Mariage Frères

Jacques Génin, impecável

Indo à Gand em missão de família

No Marais, Camille e Les Philosophes

No Marais, Camille e Les Philosophes

Nesta viagem, levei  uma listinha  de restaurantes, mas pena não deu para ir a todos. No Marais, estive em dois restôs que recomendo, o Camille e o Les Philosophes que  ficam numa área do Marais que equivale ao Baixo  Leblon, no Rio. As ruas Franc-Bourgeois, Vieille du Temple e Rosiers que nos fins de semana fervilham de gente jovem, e não tão jovens.

Camille

Na volta da viagem à Gand, chegando em casa, saí direto  para jantar com muita fome. Fui  à pé  rapidinho ao restô Camille, na Rue des Francs-Bourgeois. Mesmo sem reserva, entrei e consegui mesa,  mas, sugiro que se possível façam reserva, pois, um pouco depois as mesas estavam todas ocupadas.

É um restaurante tipicamente francês com  ambiente acolhedor, como podem ver pelas fotos, e serviço muito atencioso.

O serviço é tão rápido que na foto abaixo, só dá para ver o ectoplasma do garçon ;)

Logo, o menu é trazido a você, no quadro negro que colocam na cadeira à sua frente. Simpático não ? Letras grandes, dá para ler sem óculos :)

Como precisava comer algo “suculento”,  pois não tinha tido tempo para almoçar, pedi côte de boeuf grillée,  frites maison.

Côte de boeuf grillé

A carne estava no ponto certo, o sauce delicioso, e as batatas fritas que acompanhavam,  crocantes, perfeitas. Parece um prato simples, mas fazer bem feito,  não é.

Quase dá pra sentir o gosto, concordam  ? Ah, e  claro que tomei vinho nacional :mrgreen:

Camille

Para fechar, pedi o crème brûlée que adoro. Posso dizer que estava diiivino :lol:

Crème brûlée

Crème brûlée

Comi muito bem e quanto paguei ?  37,30 euros.

No menu do restaurante há pratos tradiconais como: tartare, magret de canard, pot au feu, e muitas outras delícias. Boa carta de vinhos.

Ambiente agradável, preço acessivel e comida bem feita que é tudo que se quer entrando num restaurante.

Mapinha abaixo:

Camille

Camille

Camille   –   24, Rue des Frans-Bourgeois – Marais

tel:   (33) (01) 42 72 20 50

Metrô: St. Paul

Les Philosophes

Les Philosophes

No sábado, saí para almoçar com vontade de comer um confit de canard. Fui a outro restô no Marais, na Rue Vieille du Temple, o Les Philosophes que está sempre cheio.

Les Philosophes

Como disse, o restaurante estava cheio, mas rapidamente consegui mesa para sentar. Vale a pena ter paciência e esperar um pouquinho.

O restaurante fica na esquina da Rue Vieille du Temple com a Rue du Trésor, esta gracinha.

Rue du Trésor

Pra começar pedi algo apetitoso, foie gras com geléia de figo e torradas. Muuuito bom.

Foie gras, torradas e geléia de figo

Segui com o confit de canard (pato) que me deu vontade de morder a tela agora :mrgreen:  Vinho nacional, claro.

Confit de canard

Para sobremesa pedi a Tarte tatin, especialidade da casa, mas o rapaz da mesa ao lado ficou com a última fatia :(

Então, sem pestanejar pedi …… vocês já sabem ;)

Crème brûlée

Crème brûlée

Quanto custou ?  44 euros


Apesar de cheio, o garçon servia com rapidez e boa vontade.Vi poucos turistas, uma mesa de italianos que não tem como disfarçar, falam alto e com as mãos ;)  Saí do restaurante tão satisfeita como na véspera do Camille.

Saindo do Les Philosophes segui pela Rue Vieille du Temple que borbulhava.

Rue Vieille du Temple

Muitas  lojas de roupas charmosas, perfumes, óculos, tudo o que nós mulheres adoramos ;)

Continuando na rue Vieille du Temple

    

Rue du Marché des Blancs Manteaux, outra gracinha.

As ruas no Marais são tão agradáveis para caminhar, construções históricas lindas, galerias, museus.

Rue Vieile du Temple

E… claro,  a Place des Vosges.

Lembrando que fui duas semanas antes do Natal, esta vitrine estava linda !

Rue Vieille du Temple

Les Philosophes – Rue Vieille du Temple, 30 – Marais

tel: (33) (01) 42 72 47 47

Aberto todos os dias de 9:00 a 01:15

Metrô: St. Paul ou Hotel de Ville

Les Philosophes

Indo a Gand em missão de família

Para quem acompanha o blog, lembrará  deste post Indo à Diest em missão de família,  onde conto a história de nosso bisavô Louis Cruls, belga, astrônomo,  e seu trabalho na Comissão Exploradora do Planalto Central em 1892, chefiando um grupo de 21 pessoas entre pesquisadores e de apoio com 9,6 toneladas de equipamentos, a Missão Cruls, aqui. No site do astrônomo Ronaldo Mourão aqui, há vários posts, é só clicar em Missão Cruls: Fotos, Comissão Exploradora do Planalto Central (1892-1893), Diretor do Imperial Observatório, Louis Ferdinand Cruls e outros.

Nesta viagem à Paris em 2006, Bia e eu fomos à Bélgica e chegamos à  casa onde nasceu nosso bisavô Louis Cruls, em Diest,  e onde estava instalada a placa em homenagem a ele, e onde trabalhou o grupo Missão Cruls, criado para preparar o centenário da Missão Cruls. Conto tudo tim tim por tim tim neste post aqui:  a preservação da memória da família por minha mãe e minhas buscas na internet por parentes Cruls do ramo europeu. Meu irmão se debruça há alguns anos na árvore genealógica Cruls, desde os ancestrais em 1700.

Em passado recente, pelo Facebook, eis que acho 2 parentes Cruls, em Gand. O que a internet faz por você ;)  Comecei a fazer contato com a Gill, e aproveitando esta viagem à Paris, decidi encontrá-la, e marcamos um café, em casa dela.

Na 4a. feira, fui à Gare du Nord, comprar os bilhetes do Thalys, trem de alta velocidade para Bruxelas, para o dia seguinte.

Não há a menor dificuldade em chegar à Gare du Nord, em Paris, de metrô, ônibus ou taxi.

Indo de taxi:

Indo de metrô:

Para fazer seu roteiro de metrô, este é o link da Rapt aqui . É só colocar seu endereço de ida e chegada e o site faz o itinerário para você.

A Gare du Nord é  uma bela construção, vi algumas estudantes, provavelmente de arquitetura,  sentadas no chão com prancheta de desenho.

No dia seguinte, 5a. feira cedo já estava na Gare du Nord, na plataforma do Thalys esperando o trem com destino à Bruxelas. É preciso chegar com antecedência, pois não só a estação é grande e a mais movimentada da Europa, como o trem sai na hora marcada e não espera por você ;)  Ainda deu tempo para comer um pain au chocolat :) Também é preciso estar atenta, pois podem mudar a plataforma que consta no bilhete, como foi o meu caso. Comprei assento para 2a. classe que é super confortável.

O Thalys, trem de alta velocidade, leva 1:22h  de Paris até a Gare Midi, estação em Bruxelas.

Na própria Gare Midi iria comprar o bilhete de trem regional para Gand.

Já acomodada em meu assento, o trem partiu exatamente no horário.

A Gare Midi, em Bruxelas é grande, mas muito bem sinalizada. Há também alguns balcões de informação, caso haja dúvidas. Entrei em fila razoável e comprei os bilhetes de ida e volta para Gand por 8,20 euros, cada,  e fui para a plataforma de embarque.

Estava muuuito frio, com vento e chuva fina, a sensação térmica era de mais frio, bem mais do que em Paris.

Chegando em Gand, o bicicletário na estação :mrgreen:

Peguei um taxi para encontrar a Gill, no endereço indicado.

Pela foto acima, deu pra perceber que bicicletas são o meio de transporte mais utilizado.

Finalmente chego no endereço, toco a campainha e abre a porta com um largo sorriso, a Gill Cruls, nos abraçamos quase sem acreditar.

Brindamos nosso encontro com champagne e conversamos por um bom par de horas, trocando dados da família.

Hora de voltar e pegar o trem de Gand para Bruxelas e, lá o Thalys para Paris. Chamei o mesmo taxi que me trouxe, e a prima Gill me acompanhou até a estação depois de uma tarde de fortes emoções que compõem o mosaico da vida.

Forte e emocionado abraço de despedida, e lá fui eu para a plataforma do trem de Gand para Bruxelas.  Estava gelaaaado.

Trem chegou no horário certinho, entramos no quentinho, em meia hora estávamos em Bruxelas,  na Gare Midi. Corri para plataforma do Thalys, entrei no vagão, e lá voltamos para Paris, quando cheguei já estava escuro.

Na Gare du Nord, peguei o metrô para o Marais, facinho.

Bem, finalmente,  fizemos a ponte Cruls,  Brasil  –  Europa ;)

A série de  posts desta viagem:

Marais chez moi

Poîlane, tradição perpetuada na família

Caminhando e me emocionando

Carroussel do Louvre e Mariage Frères

Jacques Génin, impecável

Jacques Génin, impecável

No meu segundo dia em Paris, saí da rue Sevigné, no Marais para caminhar pela Rue de Turenne seguindo até o final, em direção a um lugar muito  especial,  a loja do pâtissier  e chocolatier, Jacques Génin.

A  loja é  elegante e refinada em todos os sentidos.

Os funcionários, somente três,  atendem com presteza e discrição, tanto o balcão,  como as mesas.

Quem entra na loja,  sabe onde está pisando, e respeita  a atmosfera elegante nos mínimos detalhes. Todos falam baixinho.

Pedi  um milfolhas. millefeuille em francês, considerado o melhor de Paris. Não por acaso. Certamente pelo rigor,  dedicação e o trabalho diário de Jacques Génin e sua equipe,  na busca da perfeição.

Rapidamente, desce a escada em passos firmes, um dos auxiliares de Génin, trazendo na bandeja o delicado trabalho que entrega à uma das mocinhas que o levará até à mesa.

Fico alguns segundos admirando a perfeição do milfolhas, montado minutos antes, a massa folhada fininha, sem uma quebra e o creme de baunilha na consistência mais que perfeita. Quase não tenho coragem de quebrá-lo com a faca.

A massa é de uma leveza, e o creme de baunilha tão suave e delicado, nada é demais ou de menos. Pode haver igual, mas melhor não acredito.

Pedi para acompanhar o milfolhas, o chocolate quente que posso dizer é ma-ra-vi-lho- so,  meio amargo, cremoso, leve, magnífico !

Levo vários minutos degustando mil folhas e chocolate quente,  puro deleite ;)

E, no final quando peço a conta, como veem, paga-se pelo milfolhas melhor de Paris, 8,20 euros e o chocolate quente 7,00 euros.  Não acredito que no Brasil pagasse por esta qualidade, este preço.

Atravessando a rua, pude observar que em todo o 2o. andar da loja, está instalada a  oficina de trabalho com chef e auxiliares trabalhando com afinco. O resultado final tinha acabado de comprovar, magnifique !

Na saída, comprei millefeuille para me esbaldar mais tarde e os caramelos que são divinos !                                                         

                                                     

Aí está o mapinha da loja na Rue de Turenne:


Jacques Génin – 133, Rue  de Turenne Paris, 3ème  

tel: (33) (1) 45 77 29 01

Horário:  de  terça a domingo

de 11h às 19h e no sábado  até 20h.

A série de posts desta viagem:

Marais chez moi

Poîlane, tradição perpetuada na família

Caminhando e me emocionando

Carroussel do Louvre e Mariage Frères

Jacques Génin, impecável