Em dia de solzão e céu azul, indo pela Niemeyer

Na 2a feira, amanheceu um dia lindo de sol e céu azul sem nuvens, liguei pra Sylvia  era o último dia deles no Rio. Ela me disse  pra fechar o Rio eu queria pegar a Niemeyer.   Foi o que fizemos, na hora do almoço peguei a Sylvia e o Mario, e fomos felizes costeando a Niemeyer que pra mim é dos programas mais bacanas, em dia de sol bonito no Rio.  Desde Ipanema,  pegar esse caminho pra Barra era dos meus programas favoritos em dias lindos e frescos. Céu azul sem nuvens, vento batendo na cara, seguimos admirando o mar batendo nas pedras, a avenida é cravada na encosta do Dois Irmãos, o mar logo ali embaixo. Em dia de ressaca, as ondas ainda espirram  em quem se aproxima um pouco mais. Passamos pelo Sheraton, o Vidigal e de novo aquele visu lindo do mar e as ilhas Cagarras, depois chegando em São Conrado, marzão e os surfistas.  Passamos pela Rocinha, eles viram a verticalização de uma favela que virou um bairro. No largo de São Conrado, decidimos subir a estrada do Alto da Boa Vista, onde atravessamos mata de um lado e outro,  árvores imeeensas, puro oxigênio. Cruzamos com vários jeeps de turistas. Fomos até um pouco acima do mirante e descemos, pegamos a antiga estrada do Joá, sinuosa que tem lá no alto uma vista linda. Não sei como alguém não se interessa por fazer um restaurante bacana lá em cima com aquele visu, aliás Já houve bons  restaurantes ali  no passado. Um desperdício.  Descemos, entramos na estrada do Itanhangá e viramos para Barra  para que conhecessem um pouco do bairro que está explodindo de prédios comerciais bacanas e condomínios sofisticados com alta tecnologia. Pena que não deu tempo para explorar mais esticando até a praia da Reserva, Recreio e Grumari, fica pra próxima. Na volta, circulamos um pouco pelas ruas do Jardim Oceânico com prédios baixinhos e varandas enooormes, muuito arborizado, com passarinhos e miquinhos, um Leblon da década de 70.

Seguimos pelo viaduto do Joá, de cara para Joatinga que tem casas  encarapitadas no morro que chamam de Zanine pela quantidade de casas do arquiteto, lindas em madeira e vidro. O visu lá de cima é qualquer coisa. Passando pelo viaduto do Joá que passa literalmente em cima das pedras e do mar, é difícil dirigir olhando pra frente, overdose de visu, mar mar mar, magnetizante!! Fui bem devagarzinho a uns 30 km pro Mario tirar umas fotos, imagino o que me xingaram atrás. A Sylvia logo disse, já imaginou que bárbaro um trem passando por aqui costeando as montanhas por cima do mar ?  Uau belíssima idéia a ser aproveitada pelos nossos governantes. Por que não trazem os trens japoneses ? E mais, por que não tiram do papel o projeto de veículo leve sobre trilhos, na Av. das Américas até o Recreio, levitando em plano mais alto com vista para montanhas e mar, uau . E claro, o metrô linha 4.

Chegamos a São Conrado e estacionamos junto à Praia do Pepino onde ficamos admirando o pessoal voando de asa delta e parapente.

 

 

O cenário é tão belo que sem palavras, ficamos por um bom tempo curtindo a evolução das asas deltas, o mar, a montanha, enfim aquilo que a natureza nos dá de graça.

 Assistimos ao pouso de vários vôos duplos de asa delta, e claaaro ficamos combinadíssimas de pular da Pedra Bonita em breve !!

 

Vocês não conhecem,  mas encontramos este casal gracinha queimadão, carioca total, com quem sentamos para tomar uma água de coco.😉 A vontade claaaro era ficar ali a tarde inteeeira curtindo a praia, as asas deltas, a paisagem. Mas, o relógio gongou chamando de volta à realidade, trabalho:mrgreen:

Saimos de lá reenergizados com esse programa natureba bem carioca 8)

25 thoughts on “Em dia de solzão e céu azul, indo pela Niemeyer

  1. Mario says:

    Majo querida ‘ é bom demais!! ‘
    Dizem que as últimas sensações são as que ficam .
    Você com sua atenção e delicadeza peculiares,superou todas nossas expectativas .
    Como se não bastasse escreve muuuuuito bem!
    Beijo GRANDE

  2. Mô Gribel says:

    Majô, querida!
    Ler vc me dá uma saudade do Rio!!
    Acho que preciso de uns dias na casa da mamãe!🙂

  3. Majô says:

    Mario, as lembranças são as melhores, saudades de vocês😉 Retribuo suas palavras, vocês superaram todas as expectativas, eita casal gracinha🙂😳😳 ahã brigadim, mas tem aí um componente sinérgico😆 Beijo enorme para vocês !!!

    Mô, venha, venha, o Rio te espera:mrgreen:

  4. Mari Campos says:

    Majozinha, como deve ser bom morar numa cidade assim tão linda, não??? E ainda por cima encontrar com gente tão bacana num dia tão especial 😉

  5. Sylvia says:

    Esse mega passeio foi cem vezes melhor do que os lerês😆
    E no próximo , acreditem , ao menos eu e a Majô vamos surgir dos céus,
    diretamente para a água de coco , e para os autógrafos🙂 🙂 🙂

  6. Majô says:

    Marizinha, a natureza aqui é generosa mesmo, em pleno inverno termos um dia com um sol desses, é um presente, mas acho que os cariocas não se dão conta😉 Mas, olha só, amo também o interior de São Paulo, acho lindas as paisagens.
    É verdade, num dia bacana estar com gente bacana faz o dia especial😉

    Sylvia, tá lançada a bandeira para o próximo encontro carioca😆😆

  7. Júlio says:

    Majô, vc falando sobre o Joá.Que lugar maravilhoso, né.Falando sobre restaurante ali do Joá,lembrei-me do drive -in que existia, Boite Cassino Royale e Hansl com aquela comida alemã ,este eu sei que resiste.Tempo rei , tempo bom.Acho que hj só resiste o Oswaldo(Batida de td que é tipo) e o larguinho com os restaurantes (La Violetera e etc)e eu corto cabelo até hj por ali.Só saudades.Obrigado por me lembrar de um tempo bem vivido.Fechei meus olhos e viajei no tempo.Grato.

  8. Júlio says:

    Majô , vc me deu uma ótima idéia.No próximo sábado tb vou passar na Estrada das Canoas .Tem anos que não passo por lá.Já que a próxima Convenção será por aqui, que tal levarmos o Mário e Sylvia para dançarem música caribenha lá no Downtown no sábado.
    Abs

  9. Majô says:

    Julio, pois é, poderiam reativar um restaurante ali. O Hansl tem uma vista lindíssima. As batidas do Oswaldo são famosas.

    Nós não chegamos a subir tanto no Alto da Boa Vista, depois do mirante voltamos. Ali tem o Museu do Açude http://www.museuscastromaya.com.br/acude.htm que é uma casa linda do Raimundo Castro Maia. Havia um brunch bacana aos domingos com alguma apresentação musical.
    Não sabia dessa música caribenha, onde fica ?

  10. Renato Silva says:

    Majô
    Belo roteiro esse da Estrada das Canoas até o Alto, bem como da Estrada do Joá, sendo que esta ainda se percorre sem muitos riscos, o que não é o caso da primeira. É uma loteria!! De noite, nem pensar, apesar de nos idos dos anos 70, ainda ter sido seguro. Hoje, após qualquer curva, seja de dia ou de noite, pode ser uma surpresa desagradável.
    Falando de restaurantes, havia um no inicio da Estrada do Joá, do lado São Conrado, o Chamonix que era uma graça. Acabou junto com o inicio das obras do Elevado do Joá.
    Hoje só resta mesmo os do lado da Barra, a começar pelo Hansl que tem realmente uma vista maravilhosa, além do Osvaldo , também muito antigo, desde os 60s, e mais recentemente o Concha Doce, no Largo da Barra, junto com os demais locais, mais para Bares que restaurantes e o La Boticella, na Estrada do Sorimã, que se pega logo no inicio à esquerda da estrada do Joá, no sentido Barra-São Conrado, pore sinal muito bom.
    Os locais onde estiveram o Cassino Royale e o Mrs Tanaka são maravilhosos mas acho que os empresários se ressentem de mais segurança no local.
    Bons Tempos que não voltam mais!!!
    Abs
    Renato

  11. Majô says:

    Renato, não subi até o Alto da Boa Vista como fazia muito no passado, não chegamos nem no Centro de Estudos da IBM. À noite acho impensável, apesar de haver festas de casamento naquelas super casas do Alto.
    Como disse acima, cruzamos com uns 4 jeeps grandões, cada um com uns 10 turistas estrangeiros.
    Verdade, acho que era ao Chamonix que eu me referia. Não conheço a estrada do Sorimã e o Boticella, bom saber.

  12. Marina says:

    Adorei esse passeio!!!Fui indo com vc!!!!Beijocas!!

  13. Renato Silva says:

    Oi, Majô
    Realmente durante o dia e fim de semana é mais seguro. O trecho mais deserto realmente é o do mirante até a Estrada de Furnas no Alto.
    Nas duas extremidades existem as Casas de Festa que dão movimento nos dias de celebrações.
    O importante é não dar mole para o azar e estar sempre em sintonia com o Anjo da Guarda.
    E pensar que já levei muito gringo para visitar o Corcovado à noite!! Hoje, nem com o Brucutu da PM!!!
    Abs
    Renato

  14. Majô says:

    Marina, que bom😉 volte sempre !

    Renato, fomos na 2a feira na hora do almoço, mas acredito que no fim de semana haja mais movimento de turistas. E olha, conheço muita gente que mora no Alto da Boa Vista, desce e sobe todos os dias, mas tem que ficar esperto sempre, e de braços dados com o Anjo da Guarda 😉
    Já fui a algumas festas de casamento lá no Alto, sempre muito bonitas.
    Não sei como alguém não tem idéia de fazer um circuito turístico passando pela igrejinha linda N.S. da Luz http://paroquianossasenhoradaluzrj.blogspot.com/ pela Capela Mairynk http://flickr.com/photos/luizger/977585805/, o Museu do Açude, e o Esquilos http://www.terrabrasil.org.br/itb_galeria2/main.php/v/pnt_rj/aki.jpg.html até o Alto.

  15. Renato Silva says:

    Oi Majô
    Realmente esse roteiro pela Floresta da Tijuca e os lugares mencionados são maravilhosos. A empresa dos jeeps parace ser a Jeep Tour (www.jeeptour.com.br ) em cujo site mostram um roteiro que incluem vários desses pontos. A subida é pela Estrada do Horto Florestal, indo até a Capela Mayrinck e depois Museu do Açude e voltando pela Estrada que desce até São Conrado. Bom é fazer por conta própria mas aí o risco aumenta.
    Abs
    Renato

  16. Sylvia Lemos says:

    Hoje foi um dia lindo com solzão e céu azul , mas não tinha nada nem parecido com a Niemeyer e nem com a Majô …

  17. Majô says:

    Renato, essa empresa deve estar muito bem, pois a quantidade de jeeps enormes que vejo e creio sejam bem caros.
    Interessante que para fugir de engarrafamentos na Gávea ou São Conrado, os carros sobem a Estrada da Gávea que atravessa a Rocinha, e sai na Gávea, ou ao contrário, a Xuxa é uma delas.

    Haha Sylvia, aqui também fez um dia lindo, mas não tinha Sylvia e Mario pra passear na hora do almoço😉

  18. Olá
    Já vi que espiou a minha a(c)ta (que horror, não fço ideia de que letras tenho que me separar com o Acordo O.) da MicrocoNVNvenção alfacinha…
    Copiei, é verdade!… Por favor não me cobre direitos de autor.
    Tb eu parecia um bocadinho adolescente quando fui conhecer o Ricardo e o Nick. Da fotografia da net e dos filmezinhos para “ao vivo e a cores” é muito melhor.
    Foi mesmo um serão bem passado.
    Beijinhos
    P.S.- Quando vier a Lisboa tb gostaria de a conhecer

  19. Majô says:

    Isabel, então é você a Isabel da conVNVenção alfacinha😉 Adorei a ata
    hehe que direitos autorais que nada. Estes encontros são surpreendentes, não é mesmo ? Pelas fotos do blog do Riq vemos como vocês se encantaram naquela noite.
    Vamos nos encontrar sim, em Lisboa ou no Rio quero conhecer vocês, faremos uma mega conVNVenção🙂 Quem sabe reunimos os dois Marios.

  20. DeniX says:

    Majô, a partir do blog VnV passei a conhecer os amigos do Riq. E então, acessei seu bloq! Tenho lido os seus posts e fiquei especialmente encantada com a história de sua família e sua viagem à Diest.
    Muito bacana a amizade de todos vocês, pessoas educadas, de altíssimo astral e que usam a internet de forma ética, com conteúdo.
    Confesso que passei a navegar há pouco tempo, em função de uma viagem de férias, e os blogs dos amigos do Riq (e o dele próprio!) me forneceram dicas incríveis. Adorei suas dicas de Paris! Parabéns!

  21. Majô says:

    DeniX, também sou fã dos blogs da “família” VNV . Acompanho todos na medida do possível.
    Fico feliz por você ter gostado de estar aqui e tirado algum proveito😉 Acho que a internet é uma ferramenta extremamente positiva se bem usada. Acho que estamos precisando de referências éticas e valores que agreguem cultura.
    Eu também já tenho uma coleção de dicas do VNV. Que bom que você aproveitou dicas de Paris, ainda vou escrever mais alguma coisa, interrompi na viagem a Buenos Aires.
    Volte sempre😆

  22. Carla says:

    Majôzinha, que saudade de turistar pelo Rio de Janeiro… Parece que quanto mais perto a gente mora, mais tempo passa sem curtir essa beleza toda – que vexame…😳

  23. Majô says:

    Carlinha, inspire fundo, ponha óculos de turista 8) e saia pra turistar no nosso Rio. Temos ao nosso dispor o que os turistas vêm buscar por poucos dias. De repente, você se dá conta que faz um percurso diariamente que lava a alma. É o que lembro quando atravesso todos os dias o viaduto do Joá😉

  24. CarlaZ says:

    Vim dar uma espiadinha nas fotos…faz parte do preparo psicológico…

  25. Majô says:

    Isso CarlaZ, vai olhando … ontem mesmo quando passei pela praia do Pepino, uma asa delta estava pousando lindamente😉

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s