A segurança em Paris, e como me preparei para o frio

Como muitos sabem, fiz esta viagem à Paris sozinha e posso dizer que em nenhum momento me senti insegura. Caminhei  pela cidade a qualquer hora do dia e à noite, andei de metrô também de dia e à noite e não passei por nenhum momento de stress ou me senti ameaçada. Também usei caixa eletrônico que diga-se de passagem fica na calçada.

Sei que há tentativas de golpe a turistas na cidade, como o do anel que jogam no chão à sua frente, o de ciganas  que pedem dinheiro colocando pulseiras em seu braço, o homem que vende casacos de couro por uma quantia muito abaixo do preço real, enfim várias maneiras de tentar  arrancar dinheiro de você.

Acho que tudo isto passa por uma questão: como se vestir sem parecer um turista à primeira vista.

O tênis branco, acessório muito usado por brasileiros em viagem, identifica sua condição de turista que passa a ser alvo dos golpistas. Portanto, opte por sapato que seja confortável para andar o dia todo ou tenis escuros. No inverno e com chuva é preciso usar bota, e com sola de borracha que isola a umidade e o frio.

As francesas são chiques, vestem-se muito simplesmente e na maioria das vêzes em cores escuras, principalmente o preto. Sabem usar uma écharpe e cachecol como ninguém, às  vêzes uma boina, tudo com estilo próprio. Elegância está no DNA delas.

Portanto, 2 calças ou jeans e 3 sueteres  que com casaco de lã grossa serão vestimentas discretas e que protegerão você do frio. Écharpes e cachecol esquentam e dão looks diferentes. Ah e meia grossa ou de cashemere  para colocar por baixo da calça e que podem ser compradas na UNIQLO.

Casaco ou manteau: antes de viajar, ainda aqui no Brasil, decidi que o casaco seria comprado logo que chegasse, pois aqui não temos casacos com lã que esquente o suficiente, além do que sai mais barato comparando-se com os preços estratosféricos de roupas aqui. Optei pela Comptoir des Cottonniers que tem roupas em estilo que me agradam com preços acessíveis e com 2 lojas pertíssimo de onde eu estava, na Vieille du Temple e Francs Bourgeois. No dia seguinte ao da chegada, saí de manhã para comprar o casaco, pois, com chuva fina e vento, a sensação térmica era de uns 6 graus. Escolhi um casaco clássico de tweed cinza que faz meu gênero e não sai de moda. Tive desconto de 20% pagando com cartão AMEX. Este casaco foi usado o tempo todo com sweater por baixo. Em ambiente aquecido, claro tirava o casaco. Usava cachecol de lã enrolado no pescoço e meia de lã embaixo da calça.

Bota: o sapato ou bota mais confortável para caminhar sem dúvida, é o da marca Camper que tinha uma loja perto, na Rue Francs Bourgeois  e  esta foi a 1a compra na manhã seguinte à chegada. Salto confortável, sola de borracha, caminhava 10 horas por dia sem cansar.

salto confortável

sola de borracha

Voilà, assim passei minha estadia parisiense confortável e protegida do frio.

Como disse lá em cima, não tive nenhum problema relacionado à segurança, mas sem abrir mão de alguns cuidados: não sair com passaporte original, só cópia.  Dinheiro só o necessário para o dia. Em restaurante, bolsa no colo. No metrô, bolsa na frente.

Se você tem alguma dica, por favor deixe aqui 😉

Comptoir des Cottonniers – 124, rue Vieille du Temple                                                        33,  rue des Francs Bourgeois     

Camper  –  9 Rue Francs Bourgeois

UNIQLO – 17, rue Scribe 75009 Paris

A série de posts desta viagem:

Marais chez moi

Poîlane, tradição perpetuada na família

Caminhando e me emocionando

Carroussel do Louvre e Mariage Frères

Jacques Génin, impecável

Indo à Gand em missão de família

No Marais, Camille e Les Philosophes