A Elisa na Sicilia

A Elisa, amiga deste blog desde seu início,  acaba de voltar de viagem à Sicilia  e voltou tão entusiasmada quanto eu 🙂 e aí estão seus  comentários sobre a viagem:

Querida Majô,

Você não pode imaginar o quanto lembramos de você nesta viagem… O tempo todo e a cada detalhe que eu olhava via a imagem de você e de seu blog perfeito da Sicília.
Eu lembrava que uma das primeiras frases que li no seu blog foi: “ Esta viagem acabou saindo por um conjunto de fatores favoráveis…” Eu lembrava desta sua frase e pensava que a nossa viagem acabou saindo por dois fatores que estão inteligados:
1-Seu blog e
2-Todo o incentivo que você me deu.
Eu jamais tinha pensado em ir a Sicília, pois imaginava ser apenas “Belas Praias” e praia por praia prefiro as do nordeste brasileiro, ate posso abrir uma excessão para as praias do Caribe, mas…
Foi você quem me mostrou a imensa cultura, história e beleza que a Sicília tem. Depois fiquei em dúvida por que eu não dispunha (pra variar) de dias suficientes, mas você me mandou um SMS que foi decisivo: “-vá , nem que seja só por poucos dias, fique em Taormina.” Isso me incentivou e lá fomos, ficamos menos dias que você e Bia, acho que no total foram 9 noites e 10 dias, até perdi a conta, pode?
Mas foi perfeito, inclusive porque não tivemos tempo de fazer tudo que você fez e assim ficou um motivo para retornar em breve.
Amei tudo. Muito obrigada por ter um blog assim , que nos ajuda a realizar sonhos.
Beijos, Elisa

 Eita que a Elisa me fez sentir assim 😳 Nada melhor na vida do que poder realizar sonhos que idealizamos em nossas cabecinhas.  E a Elisa voltou tão apaixonada quanto eu pela Sicilia  😉  Aí estão as fotos dela no Vale dos Templos, em Agrigento.

 

 Mas uma coisa importante que escrevi ainda lá vou repetir aqui:
É sobre a tua foto de abertura deste post, sim esta foto maravilhosa com o “Tempio di Eracle”.

Quando eu cheguei ao “Valle dei Templi” e vi este Tempio de Eracle meu pensamento foi direto a imagem do Filigrana, mas fiquei tão extasiada porque é uma sensação indescritível realizar um sonho, que fiquei na dúvida se era o mesmo da foto, por isso estava tão ansiosa de chegar e correr aqui para conferir e ver se é mesmo o Tempio de Eracle e é. Vou te mandar uma foto por email, claro que não tem esta iluminação linda, com esta luz de céu amarelo porque acho que assim só foto profissional, mas vou te mandar mesmo assim, ok?

Elisa e Neno.

 Em Taormina:

A foto é um triciclo para os noivos que eu achei simplesmente lindo! Repare o detalhe da placa que tem escrito “per sempre insiene” ou seja “juntos para sempre”.
 
Nós vimos muitos e muitos casamentos, em nenhum eu consegui fotografar a noiva de perto e por isso não ficaram boas e apaguei, mas fotografei os carros e em Palermo eu consegui fotografar a “Colomba”. Não conhecia esta tradição, mas o Neno me explicou que após terminar a cerimônia da Igreja os noivos soltam , dão a liberdade a “pombas”, é lindo. Vc sabia disto?

 

É o momento que os noivos “soltam” a colomba, ou seja várias pombas brancas e tem uma chuva de papel picado, é tão lindo. Não é possível ver os noivos porque os convidados estão na frente.

                                Carro dos noivos em Taormina
 
Fiquei tão impressionada com a quantidade de casamentos, que ao comentar com minha prima em Perugia (ela é casada com um italiano e já mora a mais de 10 anos lá), ela explicou-me que maio e setembro é a temporada de casamentos na Itália.

 
A foto é da varanda de nosso quarto, que como vc pode perceber é exatamente “em cima ” do mar, é lindo demais.

 

 

O hotel é muito bom, fica em cima da praia, uma praia ótima para banho e assim nos últimos 4 dias nós ficavamos de manhã até 14 ou 15 hs na praia em frente ao hotel , depois de descansar um pouco subiamos de carro para Taormina. Letojanni fica embaixo de Taormina a cerca de 15 , 20 minutos e fazer este itinerário era lindo.

Em Taormina, visu do Mediterrâneo lá embaixo.

Então te mando agora uma foto, que talvez não tenha tanta graça porque Taormina tem lugares muito mais bonitos, mas eu lembrei demais de você quando fiz esta foto no Giardino Pubblico..

Ai, as guloseimas.

Em Palermo:

Em Palermo nós exploramos bastante a cidade porque ficamos 4 noites e não fizemos os passeios “bate-volta” próximos, então tivemos como tentar conhecer cada canto da cidade e em especial “Quattro canti e dintorni”.
Ficamos hospedados no Hotel Gallery House, que tem uma localização imbatível , fica uma depois do Teatro Massimo, em uma região cheia de restaurantes, trattorias, barzinhos, geleterias e tudo de bom. O site do hotel é  Gallery House é este.

Está quase em frente ao recomendadíssimo Café Spinnato, dal 1860, que vc tb já indicou.Entre os vários restaurantes que gostei muito em Palermo, deixo a recomendação do Gigi Mangi, muito proximo ao nosso hotel na via Principe di Belmonte 104/D Tel. (+39)091 587651, não tem site só email; gianluigimangia1@virgilio.it
Está quase em frente ao recomendadíssimo Café Spinnato, dal 1860, que vc tb já indicou.

Chegamos em Palermo no fim de semana e assim foi muito legal aproveitar os bares, cafés, restaurantes e trattorias que a cidade oferece.

 

 Elisa e prima em Perugia.

Obrigada eu, Elisa, viajei pra Sicilia novamente na sua viagem !!!

 

Lindo forever

 Paul Newman foi para mim dos artistas mais bonitos e charmosos do cinema. Seus olhos azuis, seu olhar arrancaram suspiros de todas as mulheres em todas as faixas de idade. Desculpaê a ala masculina. E à medida que os anos se passaram seu charme não diminuiu, ao contrário, seus cabelos brancos lhe deram mais charme.  Apesar do sucesso, não se deteve encantado consigo mesmo, o que é comum em homens bonitos. Envelheceu e assumiu suas rugas, não perdeu o fino humor, fez muita caridade, adorava carros de corrida e teve equipe de fórmula Indy, estava na lista dos inimigos do Nixon, para orgulho dele. Sempre na companhia de sua mulher Joanne Woodward.

Aí está texto da Wikipedia:

Em 1960, Paul Newman provou o amargo lado capitalista da indústria cinematográfica, quando teve que literalmente pagar para se ver livre do contrato da Warner. Começava ali sua militância pelos direitos criativos de atores e diretores, que dura até hoje. Livre das amarra legais, Newman conseguiu mais dois sucessos de bilheteria: ”Form the Terrace” e ”Exodus”.

A luta pela proteção dos direitos dos artistas também continuava. Ao lado de Barbra Streisand e Steve McQueen, fundou a First Artists, uma produtora que prometia viabilizar projetos pessoais sem a pressão por retorno financeiro. Sob a tutela da companhia, fez ”Meu Nome É Jim Kane” e ”O Preço da Solidão”. 

Fora das telas, Paul Newman ainda mostra vigor e lucidez. É dono da equipe de fórmula Indy Newman-Haas. Tentou preservar a memória do filho morto criando uma clínica para viciados em drogas, a Scott Newman Foundation. Fundou o acampamento de verão The Hole In The Wall Gang, em Connecticut, exclusivo para crianças com câncer. Também ajuda pacientes desta doença revertendo a elas 100% dos lucros de sua linha de produtos gastronômicos, a ”Newman’s Own”. Mantendo o senso de humor da juventude, disse em 1998 que era meio embaraçoso que seus molhos para salada arrecadavam mais dinheiro que seus filmes.

 

 

Quem não queria estar com ele nesta bicicleta ?

Flores e boas notícias, quem não gosta ?

Estou escrevendo um post que está demorando um pouquinho. Mas, enquanto não termino, trago a vocês uma notícia boa que li ontem na coluna Gente Boa do Globo. 4 armazéns do cais do porto serão

transformados em restaurantes e lojas, iniciando o processo de revitalização do cais do porto do Rio. Ôba, se ficar parecido com Puerto Madero vai ser tudo de bom 😉

Deixo também uma saudação à primavera com a foto dessa orquídea linda clicada no orquidário que fica na última parada do trem que leva à  Sto. Antonio do Pinhal,  em Campos do Jordão.

Mais tarde subirei fotos das phalaenopsis que nos presenteiam todos os anos com flores lindas. Se você tiver foto de alguma cria sua, pó mandar que eu subo aqui, assim ajuda a ficar um post bem enfeitado 😉

E a Mô acabou de enviar fotos de seu jardim  por e-mail:

Majô, vou enviar fotos das minhas flores para vc, tá?
 
Beijos

essa é da chácara…

   e esta tb é da chácara da vovó

A Mô tem um post com fotos de flores lindas da chácara aqui.

 

E aí vão as phalaenopsis

 

O guia dos Destemperados

Na 6a feira, fui buscar meu guia dos Destemperados no Carlota.  Para quem acompanha o blog desses meninos impressiona como eles estão fazendo uma bela e entusiasmada carreira de críticos de Gastronomia ! Começaram com o guia de Punta, depois veio o  Serra Gaucha e agora o de Porto Alegre.  Os restaurantes e bares são visitados e experimentados pelo Diogo e Diego, uma dupla que não para quieta e vai looonge. Entrar no blog deles é certo que vai abrir seu apetite 😉

O guia com layot quadrado é  bacana e cabe na bolsa.  Se você não pegou ainda o seu, passe em algum local de distribuição. No Rio é o Carlota na Dias Ferreira. E detalhe é free, ainda  😉

Muito sucesso à dupla que vai continuar brindando os apreciadores de boa gastronomia com dicas preciosas de restaurantes imperdíveis.

Para ler o guia Destemperados fui caminhando até o Garcia&Rodrigues na Ataulfo de Paiva para um expresso. É  um dos melhores restaurantes do Rio. O chef é o Cristophe Lidy com diploma da École Lenôtre e trabalhou com grandes chefs europeus. Mas, você não precisa  pagar um almoço ou jantar para conhecer, pois logo na entrada há um salão com mesinhas onde pode-se tomar um café ou chá e a patisserie  é nota 10, dos deuses.

Antes de sentar  para o café  fui dar uma conferida  na carinha dos doces, difícil escolher viu 😉  Me decidi  pelo Isabella, com creme de avelã, amêndoas, chocolate e pistache. Bem, posso dizer que o chocolate de excelente qualidade desmancha na boca, e a mistura com o sabor suave da amêndoa é djilicia. O expresso é muito bom e tem a companhia de um financier.

 

Os pães também são maravilhosos. O croissant tem uma massa folhada divina, se você fechar os olhos enquanto come, pensa que está em Paris.

Como estava em frente ao Ritz Hotel , na saída resolvi atravessar a rua e entrar pra dar uma conferida.  Eu sabia que ele tinha sido todo reformado. Quando entrei no saguão, já fiquei muito bem impressionada com a decoração do lobby e do bar super bacanas.

Aproveitando que estava ali, pedi para visitar e fui levada a um dos quartos no 6o andar, os dos andares acima estavam todos ocupados.

Decoração clean e atual. Era de frente para rua, mas para ter vista do mar só a partir do 7o andar.

Um pouco do Dois Irmãos.

 Lá embaixo o Garcia e Rodrigues.

No mesmo andar fui espiar o quarto de fundos com camas twin e a vista é muito legal. O banheiro desse quarto é grande e claro.

montanhas

Os Dois Irmãos de lado.

Os banheiros todos foram reformados também. Saí bem impressionada do hotel.

O Rio com as magrelas

 

Assim como as Vélibs de Paris, o Rio aproveitando os 150km de ciclovias  também adotará  a partir de novembro o sistema de bicicletas que poderão ser alugadas em vários pontos, integrando estações de metrô. As magrelas chegam mais do que na hora.

Para quem não sabe funciona assim: as bicicletas são instaladas em estações onde ficam trancadas e cada usuário com um cartão eletrônico retira  uma magrela  e usa por um tempo x. Depois ele devolve a bichinha na mesma estação ou em outra, passando de novo o cartão que retornará para um status de “Não Usado”.

Pelo que li serão oito estações instaladas em quatro pontos das orlas de Copacabana e Leme, no Parque Garota de Ipanema e nas estações de metrô Cantagalo, Siqueira Campos e Cardeal Arcoverde. A pessoa poderá reservar a bicicleta por telefone, internet ou indo até uma estação e será possível cadastrar-se para plano diário, semanal ou anual.

Segundo o projeto Samba (Solução Alternativa para Mobilidade por Bicicletas de Aluguel), criativo 😉 administrado por uma empresa, a estimativa é de que em 15 meses os bairros de Ipanema, Leblon, Copacabana, Botafogo, Flamengo, Centro e Tijuca ganharão 42 estações e 500 bicicletas.

Não li sobre estações na Barra e Recreio, mas acredito que estejam incluidos.

Poderemos usar energia limpa e livrar-nos do carro em alguns percursos.

Mais ainda, pedalar pela orla, qualquer uma,  assistindo ao por do sol não tem preço  😆

  

 Só aplaudindo mesmo 😉

  na Barra

 

 Pedalando na Barra.

 Os preços: a 1a hora será gratuita. Entre 31 e 60  minutos pagaremos R$3,00. De 61 até 90 min R$7,00 e R$11,00.  Entre 91 e 120 minutos R$15,00. Daí em diante R$5,00 a cada meia hora. Para aluguel diário e semanal, o cidadão paga uma inscrição de R$10,00 e R$30,00. Ah, e só para maiores de 13 anos.

Segundo o Sérgio Cabral que esteve sondando este sistema em Paris, 30% das magrelas lá foram roubadas e depenadas, mas pelo que li aqui o preço incluirá o seguro contra roubo.

Kurt patrimônio do Leblon

Esta semana estive no Kurt, no Leblon para saborear uma fatia de suas tortas irresistíveis. Pedi a que considero uma das melhores,  picada de abelha  que tem recheio de creme de baunilha e cobertura com nozes e mel,  djilicia. O creme chantilly do Kurt é divino, leve, pouco doce, suave, de mestre mesmo.

A confeitaria do Kurt,  uma pequena loja fundada por um judeu alemão,  há décadas vende tortas e doces de qualidade excepcional. Sua loja confunde-se com a história do Leblon, cujos antigos moradores lembram-se do Kurt que sempre primou pela tradição de tortas alemãs, apfelstruddel, biscoitos, bolo inglês, croissants, a partir do caderno de receitas de sua mãe.

Minha mãe conheceu o Kurt levada por uma vizinha alemã do nosso prédio no Leblon, à sua pequena loja na Av. Ataulfo de Paiva que ficava ao lado da Padaria Rio Lisboa e de um açougue que agora é o Talho Capixaba. A loja era minúscula e o próprio Kurt atendia seus clientes, anotando os pedidos num pedacinho de papel sempre com um largo sorriso e sotaque alemão carregado. Entrar na loja com aquele cheirinho de tortas assando era irresistíve,l e impossível deixar de se render a saborear um de seus doces.  A torta mousse de maracujá ou limão, uma nuvem de creme fresco deliciosa em cima de uma base de pão de ló levíssimo, é soberba, amo ! A de damasco idem, a floresta negra, a praliné também dos deuses. Havia pouca variedade de tortas e com o passar dos anos nunca sofreu alteração, seja pela qualidade dos produtos de 1a , o formato clássico das tortas, as receitas absolutamente impecáveis que nunca estavam fora do ponto. Ter uma torta do Kurt para servir em aniversário dava status de qualidade à reunião. O Kurt nunca se rendeu à ambição de abrir filais ou franquias, pois seu compromisso era com a qualidade. Ele dizia que fazia bem porque gostava do que fazia, aliás uma máxima perfeita. Também não havia mesinhas para sentar-se, nem refrigerantes porque dizia que comprometia o sabor das tortas.  Só água. Também não se rendeu a modismos de misturas de ingredientes  diferentes, como chocolate com morango, manteve suas tortas alemães e austríacas, e ponto. E que não se cometesse a heresia de entrar na loja para pedir brigadeiros, pois nunca teve nada com leite condensado, nem tampouco salgados.  Seus clientes fiéis o seguiram por décadas, a loja mudou-se há alguns anos para outra um pouco maior, mas ainda assim pequena, na R. Gal. Urquiza, quase esquina da Ataulfo de Paiva, onde só há 3 mesinhas em seu interior. Segundo sua sobrinha Evelyn  “Kurt não queria. Ele dizia que se a gente pusesse mesas ia ficar igual a Luxemburgo, cheio de velhinhas tomando café a tarde toda sem consumir mais nada”, lembra.  Hoje em dia, pode-se sentar e deliciar com um doce ou café com biscoitos,  ao som de música clássica.  Ninguém entra ali por acaso, e quem senta em uma de suas mesas para saborear doces artezanais, também  não se demora, pois sabe que estar ali é um privilégio.

A nova loja na Gal. Urquiza. As mesinhas do lado de fora são recentes.

O Kurt faleceu em 2000, mas sua sobrinha Evelyn deu continuidade ao trabalho do tio vendendo as mesmas tortas, biscoitos, bolos e doces e com a mesma qualidade. Graças a Deus !! Ela introduziu algumas tortas diferentes que aparecem aqui.

 Acabei não resistindo a um pedaço deste biscoito com damasco.

Há 4 anos as tortas do Kurt são premiadas pela revista Veja como as melhores tortas da cidade. Mas, os mais premiados somos nós seus clientes fiéis. Kurt é patrimônio da cidade do Rio de Janeiro !

Kurt – Rua General Urquiza 117, loja B – Leblon – Rio de Janeiro

Tel}  (21) 2294 0599 (21) 2512 4943

Olhem quem chegou no Rio !

Olhem quem apareceu assim de surpresa no Rio.  A querida Liciana com a mana Iara vieram passar um fimde carioca. Achei que era trote,  mas fui conferir hoje e não é que as duas estão mesmo hospedadas no  Lemon Spirit  no Leblon !  Nos encontramos em carne e osso para comer uma saladinha em Ipanema.  Na praia, uma foto das duas irmãs com o Dois Irmãos ao fundo 🙂 sacada da Liciane 😉

 

Deixamos o carro no Jardim de Alah e fomos para o Gula Gula ali perto.  O dia estava lindo e conseguimos uma mesa na varanda da casa da D. Marina  que foi transformada em restaurante no ano passado, o Gula Gula, onde come-se bem em ambiente agradável com garçons gentis e eu com o privilégio de estar acompanhada de irmãs gentis 😉

As duas já dominam o Rio,  sabiam de cor todas as ruas de Ipanema e Copacabana, tinham caminhado do Leblon à  Copacabana ! Olhem a cor delas, queimadonas 8) Estar com Liciane é um prazer e foi pena o tempo tão curto, e claaaro falamos sobre a tiurma vnvética.   No ano passado a Liciane organizou um jantar memorável no Rôti para nossa conVNVenção, quando estive em Sampa, o post é esse aqui . Foi lindo preparado com carinho nos mínimos detalhes, o jardim do restaurante parecia nossa casa de tão íntimo 😉

 O Gula Gula tem vários ambientes, varandas, salas, mezzanino, em qualquer ponto você está bem.

Sempre cheio e olhem quem estava lá também.

Pedimos as três o mesmo prato,  quiche de brie com damasco e saladinha que estava djilicia.

 

Fechamos com um café, puxa não deu tempo pro petit gateau, pois elas iam para o Corcovado e eu pro trabalho. Nos despedimos antes de entrar no carro com um super abraço cheio de boas energias 🙂

Fiquei feliz de estarem gostando do nosso Rio 😆

Paraty é sempre divina

Este post já deveria ter sido escrito há alguns meses. A saudade de Paraty bateu e para cumprir uma promessa familiar,  não foi nenhum sacrifício voltar à esta cidade que considero uma jóia, não me canso de voltar à ela.  Nossa chegada coincidiu com a festa do Divino e a  cidade toda enfeitada, mas  São Pedro resolveu mandar um pouco de água pra lavar bem a cidade 😉 Bem, claro que chuva atrapalha um pouco, mas não impede de curtir aqueles casarões lindos e cafés charmosos. 

Crédito Philipp  Kholer

Crédito: Websurf                            Quando a maré sobe e invade algumas ruas.

A festa do Divino é uma tradição na cidade desde o século XVIII quando é celebrado o Divino Estpírito Santo,  cujo símbolo é a pomba. Fazem a festa religiosa e a profana. Os moradores capricham na decoração, assim como em Corpus Christi.

Me encanta como a cidade está preservada,  é um prazer admirar aqueles casarões tão bem conservados e a não degradação da cidade, apesar de intenso fluxo turístico, brazucas e estrangeiros.

 

 

Na chegada, fomos indicados pelo John, dono da Pousada,  a ir a um restaurante que foi uma ótima dica, o Café do Canal, no Caburê. Eles têm pratos do dia de muito boa qualidade e bons preços.

 

E lá vai a galera ao  Café do Canal.

  

Caburê é um bairro que está cheio de pousadas bacanas e fica pertinho do Centro Histórico.

O Café Pingado é charmoso e ótimo para a parada do expresso. Tem biscoitos caseiros deliciosos, como o de limão e  sanduiches com pão integral feito por eles, djilicia.

 

Está  sempre cheio. Talvez já tenha se mudado para uma loja maior de esquina, ali perto.

Crédito:  Joannis Mihail Mouda

 

Crédito:  Joannis Mihail Mouda

 

Pra mim a ida a Paraty só vale se tiver o passeio às ilhas que lava a alma. No sábado, o sol saiu glorioso e fomos rumo às ilhas.

 

 

Mergulhar naquele mar é uma dádiva, saio nova.

A volta à Paraty pelo mar, no fim do dia é dos cenários mais bonitos e fotogênicos que conheço.

 

Crédito: Divo Nvozel

Paraty sem dúvida é dos programas mais bacanas entre Rio e São Paulo. Há inúmeras pousadas para todos os bolsos e uma grande vantagem que é,  livrar-se do carro, pois caminhar pelo Centro Histórico, não só admirando os casarões centenários, como entrando pelas galerias de arte e livrarias é o melhor programa. Os estrangeiros adoram !

Café Pingado – Rua Doutor Samuel Costa 208, Centro Histórico de Paraty  (24) 3371 8333

Café do Canal – Av. Octavio Gama, 709 (esq. da Ponte Nova) – Caborê – tel: (24) 3371 1940

Em dia de solzão e céu azul, indo pela Niemeyer

Na 2a feira, amanheceu um dia lindo de sol e céu azul sem nuvens, liguei pra Sylvia  era o último dia deles no Rio. Ela me disse  pra fechar o Rio eu queria pegar a Niemeyer.   Foi o que fizemos, na hora do almoço peguei a Sylvia e o Mario, e fomos felizes costeando a Niemeyer que pra mim é dos programas mais bacanas, em dia de sol bonito no Rio.  Desde Ipanema,  pegar esse caminho pra Barra era dos meus programas favoritos em dias lindos e frescos. Céu azul sem nuvens, vento batendo na cara, seguimos admirando o mar batendo nas pedras, a avenida é cravada na encosta do Dois Irmãos, o mar logo ali embaixo. Em dia de ressaca, as ondas ainda espirram  em quem se aproxima um pouco mais. Passamos pelo Sheraton, o Vidigal e de novo aquele visu lindo do mar e as ilhas Cagarras, depois chegando em São Conrado, marzão e os surfistas.  Passamos pela Rocinha, eles viram a verticalização de uma favela que virou um bairro. No largo de São Conrado, decidimos subir a estrada do Alto da Boa Vista, onde atravessamos mata de um lado e outro,  árvores imeeensas, puro oxigênio. Cruzamos com vários jeeps de turistas. Fomos até um pouco acima do mirante e descemos, pegamos a antiga estrada do Joá, sinuosa que tem lá no alto uma vista linda. Não sei como alguém não se interessa por fazer um restaurante bacana lá em cima com aquele visu, aliás Já houve bons  restaurantes ali  no passado. Um desperdício.  Descemos, entramos na estrada do Itanhangá e viramos para Barra  para que conhecessem um pouco do bairro que está explodindo de prédios comerciais bacanas e condomínios sofisticados com alta tecnologia. Pena que não deu tempo para explorar mais esticando até a praia da Reserva, Recreio e Grumari, fica pra próxima. Na volta, circulamos um pouco pelas ruas do Jardim Oceânico com prédios baixinhos e varandas enooormes, muuito arborizado, com passarinhos e miquinhos, um Leblon da década de 70.

Seguimos pelo viaduto do Joá, de cara para Joatinga que tem casas  encarapitadas no morro que chamam de Zanine pela quantidade de casas do arquiteto, lindas em madeira e vidro. O visu lá de cima é qualquer coisa. Passando pelo viaduto do Joá que passa literalmente em cima das pedras e do mar, é difícil dirigir olhando pra frente, overdose de visu, mar mar mar, magnetizante!! Fui bem devagarzinho a uns 30 km pro Mario tirar umas fotos, imagino o que me xingaram atrás. A Sylvia logo disse, já imaginou que bárbaro um trem passando por aqui costeando as montanhas por cima do mar ?  Uau belíssima idéia a ser aproveitada pelos nossos governantes. Por que não trazem os trens japoneses ? E mais, por que não tiram do papel o projeto de veículo leve sobre trilhos, na Av. das Américas até o Recreio, levitando em plano mais alto com vista para montanhas e mar, uau . E claro, o metrô linha 4.

Chegamos a São Conrado e estacionamos junto à Praia do Pepino onde ficamos admirando o pessoal voando de asa delta e parapente.

 

 

O cenário é tão belo que sem palavras, ficamos por um bom tempo curtindo a evolução das asas deltas, o mar, a montanha, enfim aquilo que a natureza nos dá de graça.

 Assistimos ao pouso de vários vôos duplos de asa delta, e claaaro ficamos combinadíssimas de pular da Pedra Bonita em breve !!

 

Vocês não conhecem,  mas encontramos este casal gracinha queimadão, carioca total, com quem sentamos para tomar uma água de coco. 😉 A vontade claaaro era ficar ali a tarde inteeeira curtindo a praia, as asas deltas, a paisagem. Mas, o relógio gongou chamando de volta à realidade, trabalho :mrgreen:

Saimos de lá reenergizados com esse programa natureba bem carioca 8)

A mega ConVNVenção carioca

Esta conVNVenção carioca começou a ser agitada pela vinda da Sylvia e do Mario ao Rio. A Flávia se animou também e  tudo começou a rolar aqui .  Acabou sendo uma conVNVenção intergalática, onde vários de nós não nos conhecíamos pessoalmente, apesar de batermos papo diariamente no blog do Riq que é um agregador de amigos. Como a internet pode ser legal, né mesmo ?

A Sylvia, uma verdadeira blogueira sem blog e o Mario chegaram na 5a e a Flávia idem. Na 6a eu tinha encontrado a Flávia rapidinho,  nos re-conhecemos, como diz a Carla.  Ontem era o grande dia, o combinado era nos encontrarmos às 4 da tarde, na Lagoa,  um lugar bem informal e visualmente bacana. Dá também pra circular à vontade e  até se tiver vontade andar de triciclo.  Fui buscar a  Sylvia e o Mario no Claridge, demos referências de cores de blusa e camisa, mas quando cheguei na esquina não foi preciso nada disso, imediatamente corremos pro abraço 🙂  Na verdade, nem reparei cor de blusa,  eita sinergia vnvética.  O Mario,  o maior boa praça da paróquia.  Dali fomos buscar a RastaFlávia no Monsieur Leblond. De novo abraços efusivos, no carro  todo mundo falava ao mesmo tempo 🙂 Rapidinho chegamos na Lagoa e fomos para o quiosque do Árabe, tínhamos uma reserva na mesona pra 10 pessoas.  Saquei a ata da conVNVenção que nos identificaria com o logo da boia. E eis que se aproxima de nós Vocês não me conhecem, eu sou a Ângela Bruno. Logo, logo chegou a querida Meilin com seu jeitinho  carioca de andar. Daqui a pouco, a Paula * com o Fred e suas gatinhas Gabi e Malu,  primos da DaniG.  E em seguida, a Cristina, a gatinha do VNV. E logo depois, o Arthur que veio de Niteroi. Estávamos todos sentados na mesa, quando chega quem ? Eu sou o Arnaldo. Quem ? O Arnaldo, você achava que eu não existia. Chegou ele com Alice, uma simpatia. Imaginem,  eu que pensava que o Arnaldo era um avatar 😉 Risadas e abraços. Dali pra frente, vocês verão o clima que rolou,  pelas fotos. O celular na mesa, esperando uma ligação intergalática do Riq das oropa, mas ele não tinha como marcar hora. Chegou um torpedo da Carlinha, avisando que tinha sido nocauteada por uma gripe e ela não viria 😦  Paula * trouxe seu  laptop de bolsa, o Arnaldo seu TIM Fast. E a Flávia tentando conexão pra deixar um comentário no ViajeAqui, acabou conseguindo. No resto o papo correu solto, todo mundo confraternizando no maior astral, levanta, senta,  todos viraram amigos de infância 😉  Só saimos de lá porque tínhamos que correr pro 2o turno,  uma reserva pro Centro Cultural Carioca, onde ia se apresentar o grupo Sururu na Roda. O Arnaldo gentilmente tinha oferecido uma Van Tour’s tio Arnaldo. Quase chegando em casa, o telefone toca, encosto o carro, cato o telefone na bolsa, atendo alguém muito importante pois era Privado, claro que era o Riq, mas já tinha desligado. Em casa, corro descarrego fotos pra mandar uma pro Riq conforme prometido. Ligo para o Jorge da van, fora de área, mas acabou dando tudo certo falando com a Coopertramo, dali a 20 min a van passou para nos buscar. Aí começou o tio Arnaldo´s tour.

 Na Lagoa:

Coluna social: Flávia, Sylvia, Ângela Bruno e a blogueira que vos fala. Todas segurando atas da conVNVenção que depois foram assinadas por todos.

Meilin e Cristina, a gatinha VNV.

Arnaldo ‘ eu não imaginava que a TIM Fast ia me deixar na mão’

Arnaldo e Alice.  Flávia tentando loucamente a conexão.

A Flávia dizia pra máquina ‘afinal de contas quem manda aqui sou eu’ . E a Sylvia ‘ diz pro Riq ligar logo, afinal ele prometeu fazer a conexão intergalática ‘

Ângela Bruno, Majô, Alice, Arnaldo, Flávia, Sylvia, Meilin, Arthur. Em pé, Mario, Paula * e Fred, Cristina.

Sylvia fazendo a festa da ala kids VNV

Arthur e Paula * tentando um ângulo especial.

 E a Gabi sua filhota clicando todo mundo.

E o Mário brincando com as crianças, mas elas não se amedrontaram 😉

E a Meilin e a Sylvia diziam sai pra lá violão.

Arnaldo assinando a ata.

Ângela Bruno e Paula * no fundo

Arthur assinando a ata e a Malu só de olho pra ver se ele estava escrevendo certo.

Meilin

Cristina.

Meilin, Flávia, Sylvia, Arthur e Fred.

Flávia, Arthur, Fred, Gabi, Paula *, Sylvia, Malu, Angela

A ata assinada por todo mundo. Uma foi guardada para ser enviada ao guru.

Ângela, Majô, Alice ficou encoberta, Arnaldo, Mário, Flávia, Paula *, Cristina, Sylvia, Meilin e Arthur. O garçon boa praça tirou a foto.

E aí vão mais fotos da Meilin:

O papo estava tão divertido que continuaríamos lá na Lagoa se não tivesse a 2a parte do encontro no Centro Cultural Carioca.  Depois da tentativa no Rio Scenarium que estava lotado, fechamos 2 mesas com o Centro Cultural Carioca, no sábado quando estaria se apresentando o grupo Sururu na Roda, e a Meilin doutora no assunto samba deu seu aval.

2a parte do encontro – O samba no Centro Cultural Carioca

Corremos para hotéis/casas e às 8:30h a Van tio Arnaldo Tour passou para nos buscar. Sylvia e Mario foram os seguintes, depois Flávia, a Meilin, e a Cristina foi direto para segurar a reserva que era até 9:30h.

 

A farra dentro da van, parecíamos colegiais 😉 Quando chegamos ao centro, a Meilin foi a guia do city tour, sabe tudo do Centro do Rio. Ela foi guiando o motorista,  o Tubarão até chegarmos à rua do Teatro.

 

 Num casarão antigo, um salão amplo, pé direito alto, com espaço entre as mesas para circular. Nossas mesas ficaram no fundo junto à janela.

Corrigindo: a Cristina dizia assim: Mário você tem que ir à Noronha. E a Sylvia dizia baixinho, eu digo isso todo santo dia, será que agora vai ?

Flávia de costas, Mario, Cristina, Arthur, Sylvia, Meilin e Bia

O casal gracinha.

Foto by Mario

Foto by Meilin do Real Gabinete de Leitura  que fica em frente.

Sylvia e Meilin falando sobre Noronha.

Mario tirou a foto. Felicidade total estampada na cara de todo mundo.

 

Sururu na Roda é o que há de bom em samba.

Não tem como não entrar no clima dessa música, vai dar uma saudaaaade. Até o garçon sambava quando não estava servindo 😉

 

Meilin, Flávia e Cristina se acabaram de sambar. 

À meia noite como dizia Sylvia antes que virássemos abóbora fomos embora. E aí tá a tio Arnaldo’s van que trouxe a galera de volta conduzida  pelo Tubarão que foi gracinha deixando todo mundo em casa.

Foi um dia especial, tenho certeza que saimos de alma lavada depois desses encontros memoráveis 😉  Valeu pessoal, amei  e tenho certeza que todos também, basta olhar as fisionomias nas fotos !!! Faltaram o Riq e o Nick, Mari, Carla, Emília e Marc, Mô,  Rodrigo,  Zé, Beto e Teté,  Os Destemperados, Jorge Bernardes com Tati e a mascote, Bruno, Liciana, Patsy, Lena, Lea com maridão e mascote, Carla2, Ernesto, JB, DaniG com Gabs, Carmenzita, Debora e Edu Luz, Marcio, Luisa, Carla, Maria Lina,  a Lucia Malla que ainda não conheço, mas outros encontros virão 😉

Quem quiser me enviar fotos, pó mandar que eu subo aqui 😉