No Jobi com Sylvia e Mario

O Rio tremeu estes dias com a chegada dos queridíssimos Sylvia e Mario que aterrissaram na 6a. feira direto no Jobi, no Leblon. A Sylvia tinha enviado e-mail  convocando a todos a estarem no Jobi, às 18:00h e lá estávamos nós. A Clarice e Miguel também vieram dos pampas.

Cristina, CarlaZJB, Carla Potilho, Arthur e Beth, Ângela Bruno, Meilin, Paula* e Fred, Lu Maldivas. A turma toda saiu do trabalho e  baixou no Jobi.

DSCN5026-1

Sylvia e Mario que se bronzearam instantaneamente ao aterrissar no Santos Dumont.

DSCN5025-1

Clarice, Miguel e Mario

DSCN5011

CarlaZMario e Miguel.

DSCN5033-1

JB, Sylvia, Arthur e Beth.

DSCN5021-1

Carla IdaseVindas e Sylvia.

DSCN5018-1

Às gargalhadas, a terra tremeu.

DSCN5027-1

Fred e Paula*, Carla Portilho, CarlaZ e Cristina.

DSCN5039-1

Ângela Bruno e Meilin.

DSCN5036-1

Carla Portilho e JB.

DSCN5031-1

Caldinho de feijão delícia. Fred começou e todo mundo copiou.

DSCN5029-1

DSCN5020-1

DSCN5040-1

Fotos do Mario:

Sylvia 1

Meilin, Lu que chegou quando eu saia,  e Sylvia.

Sylvia 2

CarlaZ e JB.

Sylvia 3

Sylvia 6

A frente do Jobi.

Advertisements

Kurt patrimônio do Leblon

Esta semana estive no Kurt, no Leblon para saborear uma fatia de suas tortas irresistíveis. Pedi a que considero uma das melhores,  picada de abelha  que tem recheio de creme de baunilha e cobertura com nozes e mel,  djilicia. O creme chantilly do Kurt é divino, leve, pouco doce, suave, de mestre mesmo.

A confeitaria do Kurt,  uma pequena loja fundada por um judeu alemão,  há décadas vende tortas e doces de qualidade excepcional. Sua loja confunde-se com a história do Leblon, cujos antigos moradores lembram-se do Kurt que sempre primou pela tradição de tortas alemãs, apfelstruddel, biscoitos, bolo inglês, croissants, a partir do caderno de receitas de sua mãe.

Minha mãe conheceu o Kurt levada por uma vizinha alemã do nosso prédio no Leblon, à sua pequena loja na Av. Ataulfo de Paiva que ficava ao lado da Padaria Rio Lisboa e de um açougue que agora é o Talho Capixaba. A loja era minúscula e o próprio Kurt atendia seus clientes, anotando os pedidos num pedacinho de papel sempre com um largo sorriso e sotaque alemão carregado. Entrar na loja com aquele cheirinho de tortas assando era irresistíve,l e impossível deixar de se render a saborear um de seus doces.  A torta mousse de maracujá ou limão, uma nuvem de creme fresco deliciosa em cima de uma base de pão de ló levíssimo, é soberba, amo ! A de damasco idem, a floresta negra, a praliné também dos deuses. Havia pouca variedade de tortas e com o passar dos anos nunca sofreu alteração, seja pela qualidade dos produtos de 1a , o formato clássico das tortas, as receitas absolutamente impecáveis que nunca estavam fora do ponto. Ter uma torta do Kurt para servir em aniversário dava status de qualidade à reunião. O Kurt nunca se rendeu à ambição de abrir filais ou franquias, pois seu compromisso era com a qualidade. Ele dizia que fazia bem porque gostava do que fazia, aliás uma máxima perfeita. Também não havia mesinhas para sentar-se, nem refrigerantes porque dizia que comprometia o sabor das tortas.  Só água. Também não se rendeu a modismos de misturas de ingredientes  diferentes, como chocolate com morango, manteve suas tortas alemães e austríacas, e ponto. E que não se cometesse a heresia de entrar na loja para pedir brigadeiros, pois nunca teve nada com leite condensado, nem tampouco salgados.  Seus clientes fiéis o seguiram por décadas, a loja mudou-se há alguns anos para outra um pouco maior, mas ainda assim pequena, na R. Gal. Urquiza, quase esquina da Ataulfo de Paiva, onde só há 3 mesinhas em seu interior. Segundo sua sobrinha Evelyn  “Kurt não queria. Ele dizia que se a gente pusesse mesas ia ficar igual a Luxemburgo, cheio de velhinhas tomando café a tarde toda sem consumir mais nada”, lembra.  Hoje em dia, pode-se sentar e deliciar com um doce ou café com biscoitos,  ao som de música clássica.  Ninguém entra ali por acaso, e quem senta em uma de suas mesas para saborear doces artezanais, também  não se demora, pois sabe que estar ali é um privilégio.

A nova loja na Gal. Urquiza. As mesinhas do lado de fora são recentes.

O Kurt faleceu em 2000, mas sua sobrinha Evelyn deu continuidade ao trabalho do tio vendendo as mesmas tortas, biscoitos, bolos e doces e com a mesma qualidade. Graças a Deus !! Ela introduziu algumas tortas diferentes que aparecem aqui.

 Acabei não resistindo a um pedaço deste biscoito com damasco.

Há 4 anos as tortas do Kurt são premiadas pela revista Veja como as melhores tortas da cidade. Mas, os mais premiados somos nós seus clientes fiéis. Kurt é patrimônio da cidade do Rio de Janeiro !

Kurt – Rua General Urquiza 117, loja B – Leblon – Rio de Janeiro

Tel}  (21) 2294 0599 (21) 2512 4943