Com a família Luz à Ilha de Páscoa

Iorana                                                                                               11/02/09

Cara síndica Majô.

Nós, condôminos da família Luz, pedimos mui respeitosamente que publique o nosso post sobre a viagem ao Chile com passagem por Santiago ( 3 noites, 1 na  ida e 2 na volta) e Ilha de Páscoa ( 5 noites).
A participação dos condôminos será da seguinte maneira : Débora, a esposa fará um fotolog ao final do relato; Renata,a filha participará com todas as fotos panorâmicas e devidamente identificadas e legendadas e eu, Eduardo, relatarei toda a expedição.
Esperamos que este pedido seja deferido !

Grato. Dé, Re e Edu.

               Só não vimos coelhinhos na Ilha de Páscoa

Iorana !
Muita gente nos perguntou por que escolhemos a Ilha de Páscoa? Ou melhor, onde ficava ? Ou ainda, o que fazer lá ?

dsc05643-2-foto-1

Bem, leia este post que estas questões serão devidamente esclarecidas.

Como uma pista pra entender o porque, está Santiago.  Cidade a 45 min da Cordilheira dos Andes e a 90 min do mar, onde a visita a Viña del Mar e Valparaíso é obrigatória, é a capital de um país em que ao sul temos o verde úmido da Patagônia e dos lagos, ao norte, o sol desértico do Atacama e como bonus, é rodeada de vinhedos de boa qualidade !

dsc05371-2-foto-2

Passear por Santiago ( ainda que seja por uma noite na ida e duas na volta) já vale à pena. Fomos ao Museu da Moda ( uma dica do Riq) que é interessantíssimo e está com uma exposição maravilhosa que mostra o paralelo entre a Guerra e Sedução ! Pena que não se pode tirar fotos, a não ser da placa !

dsc05418-2-foto-3

Ainda fomos na Cebicheria La Mar, aproveitando pra conhecer um restaurante que deve abrir brevemente uma filial aqui em SP. 

dsc05385-2-foto-4

         

                                                                                                                                                                                                                                             dsc05398-2-foto-5

Já no outro dia, embarcamos pra Ilha de Páscoa que é (guardadas as devidas proporções) uma Fernando de Noronha do Chile, só que com uma pequena (grande) diferença. Ela fica a 3900 km da costa chilena, em pleno Oceano Pacífico e é considerada o território mais distante de qualquer outro lugar habitado no planeta. Inclusive, é chamada de ” o umbigo do mundo” !

dsc05447-3

 Mais conhecida como Rapa Nui ( alguém se lembra do filme com o Keanu Reeves ?) , a ilha  é triangular, tem 160 km2 com a maior dimensão de 22 km e  lá existem mistérios até hoje não totalmente decifrados.

dsc06109-2-foto-7

Por que ir pra lá ? A teoria da família Luz ( nós mesmos) é a seguinte : se gostamos de um aeroporto em qualquer conexão, a cidade já é candidata a uma próxima viagem. E foi o que aconteceu quando fomos à Polinésia e fizemos uma breve parada por lá !

dsc05458-2-foto-8

O que faltava ? Uma hospedagem de primeira. Quando descobri que a rede chilena de hoteis explora tinha inaugurado um lá no começo de 2008, o projeto da viagem se viabilizou.

dsc05878-2-foto-9

Enfim, chegamos a Rapa Nui que pra quem não sabe, significa “grande pedra”! Como todos os passeios estavam incluídos, a única grande questão seria escolher o que fazer !

FOTO da Re : panorâmica da ” fábrica dos moais” 

   
dsc00608-1-foto-91
Inicialmente, optamos por conhecer a “oficina” dos moais, o monte Rano Raraku. Eles eram esculpidos lá ( mediam de 6 a 12 m de altura) e transportados por kms até os ahus, as plataformas que se localizavam normalmente perto do oceano e este transporte se realizava através de pedras redondas ( com eles em pé!), de troncos de madeira e segundo alguns, usando legumes tais como batata pra diminuir o atrito . Fico imaginando a reclamação quando a esposa fazia purê pro almoço !!   

dsc05497-2-foto-102

Existiram 3 tipos distintos de moais que foram feitos em épocas diferentes, todas com menos de 1000 anos de idade .

  dsc05502-2-foto-11

  dsc05520-2-foto-12

dsc06115-2-foto-13

Almoçamos ( e não tinha purê !) na praia ou melhor, num “cenário” montado pelo explora com direito à piscina natural e  tudo o mais.

dsc05548-2-foto-141

 

Ainda demos um pouco de sorte e à tarde fomos a única cidade da ilha, Hanga Roa, onde os 4000 habitantes comemoravam o seu carnaval, uma das atividades do Tapati, a grande festa anual dos Rapa Nui que dura duas semanas com as mais variadas competições ( dança, natação, pesca) e é inter-familiar.

dsc05559-2-foto-15

dsc05570-2-foto-16

                                dsc05575-2-foto-17

Todo mundo peladão (qualquer semelhança com o nosso carnaval é mera coincidência!), com o corpo enlameado e pintado. É quase uma disputa entre o Caprichoso/Garantido onde a finalidade é eleger uma Rainha !

dsc05596-2-foto-18

No 2º dia, fomos caminhar ( uns 10 km) pela costa. Começamos pelo Ahu Tongariki, a plataforma mais famosa da ilha como os seus 15 moais ( estes foram reposicionados pelo governo japonês). Frize-se que os moais representavam  os chefes das tribos e é claro que a disputa para ter o maior era intensa ! Os chapéus são chamados de “pukao” e não tem uma explicação definida a não ser a possibilidade do moal ficar maior ainda !!  

dsc05665-2-foto-19

Todos os moais foram recolocados no seu lugar já que em algum momento, todos eles foram derrubados. Segundo as teorias existentes ou eles foram empurrados ( normalmente pra frente pra que seus olhos não vissem quem fez isso) devido a uma guerra interna e/ou devido a um tsunami que aconteceu há 100 anos.

dsc05461-2-foto-21

Acabamos esse tour na praia mais famosa ( e uma das duas únicas com areia em toda a ilha), a Anakena, onde mais uma vez, o explora montou um de seus almoços e ainda aproveitamos pra tirar uma foto oficial internacional do pin VnV.

dsc05732-2-foto-22

 FOTO  da Re – Vista da praia de Anakena, uma belezura!

dsc00597-foto-23
À tarde, fomos caminhar mais um pouco pela costa Noroeste. Vimos como os Rapa Nui viviam e entramos em cavernas ( são muitas, devido a formação vulcânica da ilha) com direito à vista pro mar no meio de penhascos.

dsc05791-41

Terminamos o passeio no Ahu Tahai, próximo ao Museu e no lugar onde está o único moal com olhos.

dsc05807-2-foto-25

Estes olhos são falsos pois todos eles foram roubados e os únicos originais se encontram no próprio museu. Diz-se por lá que os olhos são a alma dos moais e por isso, eles só eram colocados neles quando já estavam nas plataformas.

No 3º dia, encaramos a subida até o ponto mais alto da Ilha, o Maunga Terevaka.

FOTOS da Re – Panorâmicas do morro Terevaka, onde  meditar é obrigatório

dsc00576-foto-26-1

dsc00577-foto-27-1

Foi cansativo ( mais de 4 hs), mas valeu ! Imagine um lugar onde você tem uma vista de 360º da Ilha com direito a ver como  skyline só o Oceano Pacífico? Lindo e deu pra meditarmos profundamente ( a Dé adorou!)! Oooooommmmmmmmmmm.

dsc05859-4

À tarde fomos conhecer o processo e a técnica da construção dos ahus, as plataformas. Inclusive, é expressamente proibido pisar na área destinada a elas já que são consideradas sagradas. Vimos pelo menos 3 tipos distintos, demonstrando que os Rapa Nui detinham conhecimentos de arquitetura, engenharia e astronomia.

dsc05766-31

 

Aproveitamos pra conhecer o Oceano Pacífico na sua plenitude. Ondas enormes …

dsc05912-3

 … água azul clarinha …

dsc05920-3

  .. formações rochosas …

dsc05959-3

 e entendemos o porque da água mole em pedra dura ….

FOTO da Re –  … explicando o tanto bate até que fura.

dsc00637-foto-33-1

No 4 º e último dia, fomos ao Orongo, segundo todos ( e confirmamos), o passeio mais bonito da Ilha de Páscoa.

dsc06022-3

Mais uma super-caminhada e na subida!

FOTO da Re –  a cratera num ângulo muito bonito

dsc00645-foto-35-1

3 hs depois encontramos uma cratera com 1,6 km de diâmetro, no fundo do vulcão Rano Kau e onde existe um micro-habitat especial, talvez o único lugar com a vegetação original Rapa Nui !

Um espetáculo completo onde a água ( o lago) do fundo da cratera mais parecia um mapa-mundi vitrificado!

dsc06001-3

 FOTO da RE – Super panôramica da cratera do vulcão

dsc00654-foto-37-1

Demos a volta em toda a  borda da cratera e terminamos no Parque Nacional Rapa Nui, o lugar onde acontecia a tal competição dos homens-pássaros, que não era exatamente como no filme já que eles não pulavam dos rochedos ( certamente morreriam!) e sim, desciam, nadavam até a ilhota (da foto abaixo), tinham que achar o ovo de uma fragata e voltavam nadando ao “continente” com ele! O primeiro a chegar era declarado o homem-pássaro e o seu patrocinador, o rei da Ilha por um ano! 

dsc06033-3

Como estávamos cansados e o sol estava batendo forte, optamos por ir à tarde ao Ahu Tongariki ( o dos 15 moais ) pra tirar as melhores fotos da viagem pois a iluminação ajudava e muito.

dsc06106-3

Aí foi só empacotar tudo e passar mais duas noites em Santiago com direito a um passeio espetacular por La Chascona, a casa do gênio Neruda…

dsc06236-3

dsc06238-3

 … uma ida a casa do excelente chef peruano Gaston Acurio, o Astrid y Gaston

dsc06194-3

…. e a nossa aventura terminou.

E terminou com uma certeza : a de que a Ilha de Páscoa vale uma visita,  pois a natureza é belíssima, a cultura Rapa Nui é muito interessante e apesar do mistério todo, você consegue entender bastante sobre o porque dos moais estarem por lá !  Ou o no mínimo, você verá o céu mais lindo e limpo que nós jamais vimos e  um nascer-do-sol como este :

dsc06161-3

 Até a próxima ! Maururuu !

.

Fotolog da Débora.

 dsc05431-3

dsc05616-3

Nada como uma cama confortável e uma sopa revigorante. Se é explora, então …

 dsc05445-3


A recepção foi amigável !

 dsc05465-3

Foi incrível descobrir que lá tem mais cavalos do que pessoas.

 dsc05500-3

Isto é uma plantação de moal ?

 dsc05512-3

Eu gosto das coisas bem feitas! Eu juro que nós tentamos endireitar este moal.

 dsc05525-3

Não tem areia nas praias. Mas as piscinas naturais são coloridas e transparentes.

 dsc05543-3

dsc05544-3

Eu bem que falei : Olha a onda !!!

 dsc05597-3

Carnaval na Ilha de Páscoa : GRES Tradição Rapa Nui.

 dsc05666-3

Como em toda turma, sempre tem alguém  mais estiloso.

 dsc05673-3

 dsc05766-31
Apesar da quantidade de cavernas, só tive coragem de entrar numa gruta que na verdade era um observatório astronômico.

 dsc05683-3

Momento esotérico : tocamos no umbigo do mundo, que é uma  pedra arredondada e super-energizada. Estranhamente, as bússolas não conseguem definir o Norte quando estão perto dela! 

 dsc05706-3

 Esta é a turma do design.

 dsc05742-3

Só tem uma praia com areia na ilha, a Anakena. E ela é incrível!

 dsc05749-3

7 moais. A única plataforma que não é próxima ao mar.

 dsc05775-3

Mais uma das teorias é que os ETs colocaram os moais por lá. Nós vimos um !!

 dsc05856-3

Andamos, andamos, andamos ….

 dsc05871-3

E chegamos ao ponto mais alto da Ilha. Impossível não refletir neste momento. Namasté !

 dsc05983-3

 dsc05997-3

As paisagens são de tirar o fôlego.

 dsc06060-3

Prepare-se pra jogar fora as suas meias depois de tantas caminhadas.

 dsc06118-3

Ô carinha mal encarado! E aproveite pra perceber a falta de árvores em toda a Ilha.

 dsc06119-31

Foto auto-explicativa.

 dsc06125-3

Sem rádio, sem tv, sem telefone. O único som é o da natureza. E a impressão que tivemos é que todos os dias tiveram exatamente 24 hs muito bem aproveitadas.

Boas viagens !

Nota da blogueira: eu não disse que vinha  post  pedaçudo ?  Palmas para a família Luz !!!!!! 

Não deixem de visitar o blog do Edu Luz, Da Cachaça Pro Vinho pra aguçar as papilas gustativas 😉

Advertisements